Emprego Desemprego no Reino Unido afunda para mínimos de 1975

Desemprego no Reino Unido afunda para mínimos de 1975

Nos três meses até Janeiro, a taxa de desemprego no Reino Unido desceu para 4,7%, enquanto os novos postos de trabalho registaram a maior subida desde o verão.
Desemprego no Reino Unido afunda para mínimos de 1975
Reuters
Rita Faria 15 de março de 2017 às 10:05

A taxa de desemprego no Reino Unido caiu inesperadamente para o valor mais baixo em mais de quatro décadas enquanto o crescimento dos salários abrandou.

Segundo os dados do gabinete nacional de estatística, revelados esta quarta-feira, 15 de Março, a taxa de desemprego desceu para 4,7% nos três meses até Janeiro, o valor mais baixo desde 1975. Ao mesmo tempo, o número de pessoas empregadas aumentou em 92 mil para 31,9 milhões, o que representa o maior crescimento desde o verão do ano passado.

No entanto, a subida dos salários abrandou para 2,3%. De acordo com algumas estatísticas, com a queda da libra a puxar pela inflação, os salários reais deverão ter o pior ano desde 2013, colocando um travão no poder de compra que tem impulsionado o crescimento. Ao contrário do que se previa, a economia do Reino Unido teve um bom desempenho no final de 2016, após o referendo do Brexit, com o PIB a subir 0,7%.

Ajustados à inflação, os salários cresceram apenas 0,8% nos três meses, o valor mais baixo desde 2014.

Os números revelados esta quarta-feira deverão reforçar a especulação de que o primeiro aumento dos juros desde 2007 ainda está distante. Os responsáveis do Banco de Inglaterra, reunidos esta semana, deverão manter a taxa directora no mínimo de 0,25%.

Os dados chegam dois dias depois de o parlamento britânico ter aprovado o projecto de lei que permite à primeira-ministra Theresa May accionar o artigo 50.º do Tratado de Lisboa e avançar com o Brexit. O início das negociações com a União Europeia para definir os termos da saída deverá ter impacto na evolução da economia do Reino Unido, com o Gabinete de Responsabilidade Orçamental a antecipar que a taxa de desemprego vai subir para 5,1% no final deste ano, devido à incerteza em torno do futuro do país fora do bloco regional.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Portanto a EU ne serve de nada ! Bravos aos ingleses de terem feito a escolha de sair da miséria! A economia nao para de dar sinais de melhoria e isso vai continuar ( a banca vai melhorar , os offshores vao agora acolher os milhares que vao fugir da EU etc .Bruxellas = centro da burrice mundial....

pub