Américas Desemprego nos EUA cai para 4,7% e criação de postos de trabalho supera estimativas

Desemprego nos EUA cai para 4,7% e criação de postos de trabalho supera estimativas

Em Fevereiro foram criados 235 mil postos de trabalho na maior economia do mundo. Foi o segundo mês consecutivo em que a criação de emprego superou as estimativas.
Desemprego nos EUA cai para 4,7% e criação de postos de trabalho supera estimativas
Bloomberg
Rita Faria 10 de março de 2017 às 13:56

A taxa de desemprego nos Estados Unidos desceu de 4,8%, em Janeiro, para 4,7%, em Fevereiro, mês em que foram criados 235 mil novos postos de trabalho, revelou o Departamento norte-americano do Trabalho esta sexta-feira, 10 de Março.

 

Fevereiro foi o segundo mês consecutivo em que a criação de emprego na maior economia do mundo superou as estimativas. As projecções dos analistas consultados pela Bloomberg apontavam para um total de 200 mil. 

 

O aumento de 235 mil postos de trabalho segue-se à subida de 238 mil registada no primeiro mês do ano, o que representa o maior acréscimo, em dois meses, desde Julho.

 

Os empregos no sector da construção - que podem flutuar dependendo do tempo – aumentaram em 58.000, a maior subida desde Março de 2007. Na indústria, o acréscimo foi de 28.000, um máximo de três anos, enquanto no retalho, pelo contrário, se perderam 26 mil postos de trabalho. 

Os dados revelados esta sexta-feira dizem respeito ao primeiro mês completo na Casa Branca de Donald Trump, que definiu o objectivo de criar 25 milhões de empregos em dez anos, o que requer um aumento de 208 mil por mês, ou 2,5 milhões por ano.

 

Segundo os dados do Departamento do Trabalho, a taxa de participação – que mostra a percentagem de pessoas em idade activa que estão na força de trabalho – cresceu de 62,9%, em Janeiro, para 63%, em Fevereiro, a taxa mais elevada desde Março do ano passado.

 

O emprego privado, que exclui as agências governamentais, aumentou em 227 mil, depois do crescimento de 221 mil no mês anterior. 


(Notícia actualizada às 14:15)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 13.03.2017

O que tem os geringoncos a dizer das politicas Trumpanomicas nos USA? Parece-me que estao a ficar muito nervosos ao verem a europa a querer seguir o exemplo; vai ser dificil drenar o pantano que esta' a tranbordar com milhoes de parasitas que fora do lamassal morriam asfixiados.

comentários mais recentes
Anónimo 13.03.2017

O que tem os geringoncos a dizer das politicas Trumpanomicas nos USA? Parece-me que estao a ficar muito nervosos ao verem a europa a querer seguir o exemplo; vai ser dificil drenar o pantano que esta' a tranbordar com milhoes de parasitas que fora do lamassal morriam asfixiados.

Anónimo 10.03.2017

A direita é lixada pá! sempre a criar riqueza! Trump Power!

pub