Américas Desemprego nos EUA cai para mínimos de 17 anos

Desemprego nos EUA cai para mínimos de 17 anos

A taxa de desemprego ficou abaixo das estimativas, ao passo que a criação de novos postos de trabalho não aumentou tanto como era esperado.
Desemprego nos EUA cai para mínimos de 17 anos
Reuters
Rita Faria 03 de novembro de 2017 às 12:50

A taxa de desemprego nos Estados Unidos desceu de 4,2%, em Setembro, para 4,1% em Outubro, o nível mais baixo desde o ano 2000, revelou esta sexta-feira o Departamento norte-americano do Trabalho. O valor foi mais positivo do que era esperado pelos economistas, que antecipavam uma estabilização em 4,2%.

Um outro relatório mostra, porém, que a criação de postos de trabalho no mês passado ficou aquém do esperado, ainda que tenha recuperado face a Setembro.

Em Outubro, foram criados 261 mil novos empregos, depois de os furacões nos Estados Unidos terem provocado fortes perturbações no mês anterior. No entanto, os economistas consultados pela Bloomberg, antecipavam um acréscimo de 300 mil.

Os dados revelados esta sexta-feira mostram ainda que os salários ficaram praticamente inalterados face a Setembro – quando os economistas esperavam um aumento ligeiro de 0,2% - tendo subido 2,4% face ao mesmo mês do anterior. Também aqui as estimativas apontavam para uma evolução mais favorável de 2,7%.

A taxa de participação no mercado de trabalho desceu de 63,1% para 62,7%. 

Os dados revelados esta sexta-feira sinalizam uma evolução robusta do mercado de trabalho norte-americano, numa altura em que cresce a expectativa de que a Reserva Federal dos Estados Unidos vai anunciar um novo aumento dos juros na reunião de Dezembro, que se realiza nos dias 12 e 13. 

Em Fevereiro, Janet Yellen será substituída na presidência do banco central por Jerome Powell, o nome anunciado ontem pelo presidente Donald Trump.  


(Notícia actualizada às 13:00)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub