Emprego Desemprego registado com maior queda em 28 anos

Desemprego registado com maior queda em 28 anos

O número de desempregados inscritos no IEFP desceu ligeiramente em Fevereiro, num movimento que não anulou a subida registada em Janeiro. Em termos homólogos, porém, a quebra é a maior em quase três décadas: o recuo foi de 15,3%
Desemprego registado com maior queda em 28 anos
Bruno Simão/Negócios
Catarina Almeida Pereira 21 de março de 2017 às 11:35

O número de desempregados registados pelo IEFP retomou em Fevereiro a tendência de quebra (-1,4%), que não foi no entanto suficiente para anular a subida registada no início do ano (+2,5%).

Em termos homólogos, porém, a informação do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) mostra que há agora menos 15,3% pessoas inscritas como desempregadas e disponíveis para trabalhar, no maior recuo homólogo desde Dezembro de 1988, ou seja, em quase três décadas.

Há agora 487,6 mil desempregados registados e disponíveis para trabalhar, um nível que se aproxima do que foi registado em Fevereiro de 2005.

O número de desempregados inscritos no final do mês (o chamado "stock") é influenciado não apenas pelo mercado de trabalho mas também pela execução dos programas de emprego e pela evolução do número de desempregados de longa duração, que podem deixar de ter incentivos para se inscreverem.

Na comparação face ao mês anterior, apenas a região de Lisboa registou em Fevereiro um novo aumento em cadeia.

Desemprego sobe sempre em Janeiro

 

Após quatro meses sucessivos de descidas, o número de desempregados inscritos no Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) tinha subido 2,5% em Janeiro, tal como é habitual no início do ano. Lisboa e o Algarve foram as regiões mais afectadas.

A série relativa ao número de desempregados inscritos e disponíveis para trabalhar revela que a subida registada em Janeiro é inferior à dos dois últimos anos mas superior à de 2014. Em todo o caso, esta subida no início do ano é habitual, tendo sido constante desde pelo menos 2000.

Ao longo do primeiro mês do ano, o número de pessoas que se inscreverem como desempregadas (o chamado "fluxo") tinha subido 29,3% face a Dezembro, apesar de ter recuado 8,4% em termos homólogos. Mas em Fevereiro voltou a normalizar, com uma redução de 26,1% face ao primeiro mês do ano.

Os dados provisórios do INE, ainda sujeitos a confirmação, apontam para uma estabilização da taxa de desemprego em Janeiro nos 10,2%.




A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

Quantos empregos foram criados com descontos prà S.Social face a esta suposta descida?
Desceu realmente ou foram excluídos do sistema? Lembra-me aqueles "estudos" estatísticas propagandistas de recuperações económicas onde a confiança dos consumidores sobe e no mês seguinte o consumo privado caíu.

pertinaz Há 3 dias

BOA NOTÍCIA... JÁ SÓ PRECISAM DE ACABAR COM OS RICOS...

Os estrangeiros da direita Há 3 dias

Que emigrem Força Geringonça

jams Há 3 dias

A santa ignorância de vomitar asneiras só para dizer e não gostarem do governo mas é uma realidade que lhes custa a engolir. E não foi preciso manda-los emigrar nem chamar de piegas. Os números estão lá e não enganam.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub