Mercado de Trabalho Desemprego registado no nível mais baixo em oito anos

Desemprego registado no nível mais baixo em oito anos

O número de portugueses inscritos nos centros de emprego voltou registar uma significativa quebra homóloga em Março – volta a ser o maior recuo em 28 anos –, o que coloca o desemprego registado no nível mais baixo desde Fevereiro de 2009.
Desemprego registado no nível mais baixo em oito anos
Nuno Aguiar 19 de abril de 2017 às 12:42

Os dados foram publicados esta manhã pelo Instituto do Emprego e da Formação Profissional (IEFP) e mostram que em Março havia 471.474 pessoas inscritas em centros de emprego, o que representa uma descida de 3,3% face ao mês anterior e de 18% face ao mesmo mês de 2016. No segundo caso, trata-se da maior descida homóloga desde que há registos (a partir de 1989). Menos 104 mil pessoas do que há um ano. O desagravamento de Fevereiro já tinha sido o mais significativo em 28 anos (-15,3%).

 

Verifica-se, assim, que a tendência de desagravamento do desemprego continua a reflectir-se nos dados do IEFP. O instituto nota que todos os grupos contribuíram para esta melhoria. "Para a diminuição do desemprego registado, face ao mês homólogo de 2016, contribuíram todos os grupos do ficheiro de desempregados, com destaque para os homens (-19,9%), os adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos (-17,1%), os inscritos há menos de um ano (-19,7%), os que procuravam novo emprego (-17,9%) e os que possuem como habilitação escolar o secundário (-16,0%)", pode ler-se na publicação do IEFP.

 

Numa análise por regiões, o desemprego recua em todas elas, mas o Centro e o Alentejo – com diminuições de 21,2% e 21,3%, respectivamente – são as que mais se destacam. Açores e Madeira têm as quebras regionais menos expressivas, ainda assim superiores a -10%. No Norte, pela primeira vez em oito anos, o desemprego registado ficou abaixo das 200 mil pessoas, tendo descido 36% face ao pico observado em 2013.

 

Em Março, inscreveram-se nos centros de emprego 50,9 mil portugueses, o que representa uma diminuição homóloga de 4,9%, mas um crescimento de 15,7% face a Fevereiro. A compensar este movimento estão as colocações de desempregados, que também diminuem face ao mesmo mês de 2016, mas aumentam de forma significativa em relação a Fevereiro (mais 48%).

 

Recorde-se que estes números do desemprego registado são influenciados pela evolução do mercado de trabalho, mas também por políticas públicas, como os programas de estímulo ao emprego. Além disso, há mais desempregados em Portugal do que aqueles que estão inscritos no IEFP. O INE estima que existam cerca de 511 mil portugueses desempregados.


A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Programas de estimulo ao emprego ??? que piada ! existem empresas há mais de um ano à espera de RESPOSTA a esses programas !!!!! promessas de programas ao estimulo e de ajuda ao desenvolvimento e apoio as PME há muitas ! depois cumprir .... nada !!

Belém Há 5 dias

No fim vai haver mais gente empregada do que pessoas em portugal

Camponio da beira Há 5 dias

Se a baixa anual, que é anunciada nas estatisticas da criminalidade, fosse somada já tinhamos criminalidade ZERO.Dá para avaliar a qualidade destas estatisticas.

Anónimo Há 5 dias

Menos gente inscrita nos centros de emprego estatais. Deixaram de procurar um emprego. Muita gente nova a emigrar à saída da faculdade também, em formação profissional ou a matricular-se em pós-graduações.

ver mais comentários
pub