Emprego Desemprego registado renova mínimos desde 2008. Maior quebra é no Algarve

Desemprego registado renova mínimos desde 2008. Maior quebra é no Algarve

Há agora 416 mil desempregados oficialmente inscritos nos centros de emprego, o número mais baixo em mais de oito anos. As quebras mais expressivas deram-se no Algarve, onde o número de inscritos caiu 27% num ano, e no sector da construção.
Desemprego registado renova mínimos desde 2008. Maior quebra é no Algarve
Krisztian Bocsi / Bloomberg
Catarina Almeida Pereira 21 de agosto de 2017 às 13:26

O número de desempregados oficialmente registados como tal nos centros de emprego caiu para 416 mil pessoas, número que volta a ser o mais baixo desde o final de 2008. A quebra é de 16% em termos homólogos e de 0,5% face ao mês anterior, reduções menos expressivas do que as que foram registadas nos últimos meses.

Também o número de novos desempregados inscritos ao longo do mês (o chamado "fluxo) continua a cair 8,3% em termos homólogos, apesar de ter aumentado face ao mês anterior (5,1%) de acordo com os dados oficiais do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP). Ao longo do mês de Julho inscreveram-se nos centros de emprego mais de 43 mil pessoas.

Maiores quebras no Algarve e na construção

Foi no Algarve que se registou a maior quebra do número de desempregados inscritos, mesmo quando a análise é feita face a período homólogo: a redução foi de 26,9%, bastante superior à média nacional (de 16,4%).

Em relação ao mês de Junho, o desemprego registado caiu 6,5% no Algarve, tendo aumentado no Alentejo (+1%) e de forma mais ligeira no Centro (0,2%).

Nem todos os desempregados se inscrevem nos centros de emprego, sobretudo quando não têm acesso ao subsídio de desemprego.

Os dados oficiais do INE relativos ao segundo trimestre do ano apontavam para 461 mil pessoas oficialmente consideradas desempregadas e já revelava o contribuito da hotelaria e restauração para a criação de emprego nos últimos meses.

Por sectores, os dados do IEFP revelam que é a construção que regista o maior recuo homólogo do número de desempregados registados (27,7%). Este é também o sector que mais contribui, em termos absolutos, para a quebra de desempregados registados (menos 13 mil pessoas num ano), seguido das actividades imobiliárias (menos 11 mil desempregados registados num ano).

Ofertas e colocações continuam a cair

 

Os dados relativos a Julho também confirmam que tem sido menor a intervenção dos centros de emprego no mercado de trabalho: continuam a cair as ofertas (4% ao longo de Julho face a período homólogo) e as colocações (23%).

O Governo tem relacionado esta redução com o fim de um programa de apoio à contratação que exigia que as ofertas de emprego candidatas ao apoio fossem registadas no IEFP.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 21.08.2017

A pedra de toque é "REGISTADO".

comentários mais recentes
Anónimo 21.08.2017

Alguem por aqui fala em nazismo. São tão ignorantes que não sabem de certeza que o nazismo é uma das formas de socialismo. O partido nazi chamava-se PARTIDO NACIONAL SOCIALISTA. Por alguma razão aliaram-se ao partido comunista soviético no inicio da grande guerra. O socialismo é o maior criador de regimes fascistas desde sempre.

Anónimo 21.08.2017

Não sabia que o Passos Coelho era um Nacional-Socialista um Fascista Socialista! A paranóia dos ratos do largo não tem limites!

pertinaz 21.08.2017

PORQUE SERÁ ?

Desemprego/divida 21.08.2017

Boa noticia, mas atenção ao montante da divida sempre a crescer...

ver mais comentários
pub