Mercado de Trabalho Desemprego volta a cair para 10,5%

Desemprego volta a cair para 10,5%

A taxa de desemprego portuguesa voltou a diminuir em Outubro e Novembro. Tanto a taxa definitiva como a estimativa provisória do INE apontam para a continuação da trajectória descendente dos últimos meses, caindo para 10,6% e 10,5%, respectivamente.
Desemprego volta a cair para 10,5%
Nuno Aguiar 06 de janeiro de 2017 às 11:07
(Nota prévia: nos últimos meses têm surgido valores diferentes para a taxa de desemprego, que podem criar alguma confusão. Isso explica-se porque o INE publica duas "taxas de desemprego" diferentes. Uma mensal e outra trimestral. Os dois valores têm diferenças metodológicas e, no caso do segundo, nunca são ajustados à sazonalidade.)

O desemprego continuou a descer até Novembro. Pelo menos é isso que mostram os dados provisórios e definitivos do Instituto Nacional de Estatística (INE). Mesmo tendo passado o período do Verão - onde o trabalho sazonal ajuda os números do mercado de trabalho - a tendência continua a ser de desagravamento. 

Em Outubro, a taxa de desemprego fixou-se em 10,6%, o que representa uma diminuição de 0,3 pontos percentuais em relação ao valor de Setembro. Este é valor definitivo do desemprego. Isto é, já conta como todos os dados necessários para fazer os cálculos. Em comparação com a estimativa provisória que o INE fez para este mês, esta taxa é 0,2 pontos mais baixa.

O valor para Outubro já é definitivo, mas o INE divulgou hoje também a taxa de desemprego provisória para Novembro, que reafirma essa tendência descendente para 10,5%. É necessário alguma cautela com este número. Desde o início de 2016 que as estimativas provisórias têm sido revistas em baixa no mês seguinte, quando os dados definitivos ficam disponíveis. 

O Governo espera que o ano de 2016 termine com uma taxa de desemprego média de 11,2% e que desça para 10,2% em 2017.

A taxa de desemprego de Outubro traduz a existência de 545,3 mil portugueses tem trabalho, o que representa uma diminuição de 12,1 mil face a Setembro (em Novembro também regista uma quebra de 11 mil). Contudo, quando se olha apenas para os jovens o resultados são mistos entre dados definitivos e provisórios: em Outubro o desemprego jovem recuou 3,9 mil, mas voltou a aumentar em Novembro 2,8 mil, fixando-se nos 102,6 mil. 

No que diz respeito ao emprego, em Outubro havia 5.579,7 mil pessoas com trabalho, um reforço de 13,4 mil em comparação com Setembro. Esta melhoria foi conseguida entre as mulheres (13,8 mil) e os adultos (11,9 mil), uma vez que entre os homens até houve uma queda (-0,4 mil) e entre os jovens dos 15 aos 24 anos apenas uma ligeira melhoria (1,5 mil). Em Novembro, os dados provisórios apontam para uma viragem negativa, com uma queda de 5,3 mil, com um perfil contrário ao mês anterior: foram as mulheres e os adultos a contribuir para essa contracção.

(Notícia actualizada às 11h45)






A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 06.01.2017


O VERDADEIRO SOCIALISTA

Um verdadeiro socialista defende a igualdade (critérios iguais) e a justiça para todos os cidadãos.

Ao contrário de muitos portugueses que se dizem socialistas (incluindo os do governo), mas que apenas defendem os interesses particulares de alguns grupos privilegiados…

Em detrimento dos restantes cidadãos (a maioria dos portugueses) que são cada vez mais sacrificados para sustentar os privilégios, as mordomias, as regalias e as benesses desses grupos (FP & CGA).

comentários mais recentes
Anónimo 06.01.2017


O VERDADEIRO SOCIALISTA

Um verdadeiro socialista defende a igualdade (critérios iguais) e a justiça para todos os cidadãos.

Ao contrário de muitos portugueses que se dizem socialistas (incluindo os do governo), mas que apenas defendem os interesses particulares de alguns grupos privilegiados…

Em detrimento dos restantes cidadãos (a maioria dos portugueses) que são cada vez mais sacrificados para sustentar os privilégios, as mordomias, as regalias e as benesses desses grupos (FP & CGA).

pub
pub
pub
pub