Emprego Desemprego na Irlanda cai para mínimos de oito anos

Desemprego na Irlanda cai para mínimos de oito anos

A taxa de desemprego na Irlanda desceu para 7,9% em Setembro, o valor mais baixo desde Novembro de 2008. O desemprego jovem ainda está nos 16%.
Desemprego na Irlanda cai para mínimos de oito anos
Lusa 04 de Outubro de 2016 às 13:57

A taxa de desemprego na República da Irlanda desceu para 7,9% em Setembro, menos 0,3 pontos percentuais do que em Agosto e menos 1,2 pontos do que no mês homólogo de 2015, foi hoje anunciado.     

 

Segundo a agência central de estatística irlandesa (Central Statistics Office, CSO), o número de desempregados desceu para 172.900 em Setembro, contra 180.200 em Agosto e 196.900 em Setembro de 2015.

 

A taxa de desemprego na Irlanda em Setembro foi a mais baixa desde Novembro de 2008, quando se cifrou em 8,1%, e também está abaixo da de 10,1% registada na Zona Wuro.

 

Por géneros, o desemprego em Setembro entre os homens desceu 0,2 pontos percentuais face a agosto, para 9,2%, e 1,4 pontos face ao mesmo mês de 2015.

 

Entre as mulheres, o desemprego também desceu em Setembro ao atingir 6,4%, menos quatro décimas do que no mês anterior e menos nove décimas do que em Setembro de 2015.

 

No total, 109.000 homens e 63.500 mulheres estavam desempregados em Setembro, respectivamente menos 3.500 e 3.800 do que no mês anterior.

 

Apesar do desemprego continuar a descer na Irlanda, o governo de Dublin está preocupado com a situação do desemprego de jovens, que ainda atinge quase 16% das pessoas com idades entre os 15 e os 24 anos. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES DO PRIVADO

400 milhões de Euros para aumentar as pensões mínimas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado injetou, em 2015 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões da CGA.

comentários mais recentes
CFF Há 4 semanas

A sério? Então nao foi prometido um tempo no para Portugal? Ah, já sei: foi de facto um tempo novo para as clientelas da FP, dos pensionistas da FP e dos trabalhadores do setor dos transportes do estado, onde foi revertido salário, pensão, horario de trabalho e 4 feriados para todos. Um verdadeiro farrabodó! Depois, não saimos da cepa torda, ou da cauda. Claro, estamos à espera de milagres? Pobre(tambem de espirito) povo que acredita em ilusionistas milagreiros!

Anónimo Há 4 semanas

Por favor,

o comentador que esta a fazer copy past do

"FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES DO PRIVADO"

que pare com esse spam que só perde credibilidade, e digo isto apesar de em certa medida concordar com o que é dito...

Anónimo Há 4 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES DO PRIVADO

400 milhões de Euros para aumentar as pensões mínimas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado injetou, em 2015 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões da CGA.

pub