África Deslizamentos e inundações na Serra Leoa terão feito mais de mil mortos

Deslizamentos e inundações na Serra Leoa terão feito mais de mil mortos

Mais de mil pessoas morreram na sequência dos deslizamentos de terra e inundações que afectaram a capital de Serra Leoa há cerca de duas semanas, anunciaram uma líder local e um padre durante as cerimónias de homenagem às vítimas.
Deslizamentos e inundações na Serra Leoa terão feito mais de mil mortos
Reuters
Lusa 28 de agosto de 2017 às 07:28
As inundações e os deslizamentos ocorreram a 14 de agosto e, segundo a agência Associated Press (AP), o governo do país anunciou inicialmente a morte de 450 pessoas, enquanto as organizações não governamentais (ONG) apontavam que as 600 pessoas desaparecidas dificilmente seriam encontradas com vida.

"Mais de mil pessoas morreram nos deslizamentos de terra e nas inundações e nunca saberemos o número exacto", afirmou Elenoroh Metzger, líder das mulheres de Regent, uma zona na periferia da capital Freetown, onde ocorreram os deslizamentos.

Centenas de funerais têm sido realizados, enquanto continuam os trabalhos de resgate debaixo de chuva. As condições climatéricas, aliás, poderão causar novos deslizamentos e casas soterradas, já que as habitações são feitas de materiais precários.

Já o reverendo Arnold Temple, que celebrou hoje a missa numa igreja metodista perto de Regent, defendeu que uma contagem rigorosa é importante para fazer a contabilização.

"É bem provável que sejam mais de mil pessoas mortas que nós agora choramos. Mas por que razão é que a vida de cerca de mil compatriotas nossos terminaram desta forma trágica?", questionou.

Também a mulher do Presidente Ernest Bai Koroma falou durante as cerimónias para dizer estar com o "coração pesado" e que o país tem passado por imensas calamidades.

"Devíamos todos fazer um exercício de introspecção e aprender a ser obediente às leis do homem, especialmente quando o governo planeia tomar uma atitude pelo desenvolvimento do país", defendeu Sai Koroma.

Entretanto, e por causa das chuvas, centenas de pessoas que vivem em zonas de risco estão a ser retiradas, enquanto as ONG entregam mantimentos e água potável de forma a prevenir possíveis doenças.

De acordo com a AP, há críticos que acusam o governo da Serra Leoa de não ter aprendido com catástrofes anteriores em Freetown, onde muitas das zonas pobres estão perto do mar e falta escoamento de águas. A capital sofre também com as construções ilegais nas suas colinas.

Na semana passada, a agência France-Presse, citando fonte da morgue central de Freetown, dava conta de 499 mortos, incluindo 156 crianças, mas com as equipas de socorro ainda à procura de mais vítimas.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar