Emprego Despedimentos colectivos tiraram emprego a 2.470 trabalhadores até Agosto deste ano

Despedimentos colectivos tiraram emprego a 2.470 trabalhadores até Agosto deste ano

Mais de dois mil trabalhadores perderam o emprego nos oito primeiros meses deste ano, devido a 257 despedimentos colectivos, mais de metade dos quais na região de Lisboa e Vale do Tejo.
Despedimentos colectivos tiraram emprego a 2.470 trabalhadores até Agosto deste ano
Bruno Simão/Negócios
Lusa 26 de novembro de 2017 às 11:02

De acordo com dados do Ministério do Trabalho, de Janeiro a Agosto deste ano os despedimentos colectivos abrangeram 2.470 trabalhadores. No mesmo período, foram iniciados 269 processos de despedimento colectivo que visavam o despedimento de 2.487 pessoas.

 

Entre Janeiro e Agosto deste ano foram concluídos 257 despedimentos colectivos, com um total de 2.470 trabalhadores, embora a previsão inicial fosse de 2.888 trabalhadores a despedir. A redução foi conseguida à conta de 120 revogações e de 298 outras medidas.

 

Só na região de Lisboa e Vale do Tejo foram despedidos 1.357 trabalhadores, no âmbito de 141 despedimentos colectivos concluídos.

 

O Alentejo foi a região com menos despedimentos colectivos, cinco concluídos, que deixaram sem trabalho 19 pessoas, embora estivesse inicialmente previsto o despedimento de 172 trabalhadores.

 

Maio foi o mês com maior número de processos de despedimentos colectivos iniciados, um total de 47, para despedir 576 trabalhadores.

 

Os despedimentos colectivos em Portugal atingiram o seu pico em 2012, durante a intervenção da ‘troika’, afectando 10.488 trabalhadores, no âmbito de 1.269 processos comunicados maioritariamente por empresas de menor dimensão.

 

O regime jurídico do despedimento colectivo está definido no Código do Trabalho e obriga os empregadores a darem deles conhecimento à Direcção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT).

 

De acordo com a lei em vigor, é despedimento colectivo aquele que ocorre numa empresa, em simultâneo ou sucessivamente, no período de três meses e que abrange pelo menos dois trabalhadores, em empresas com menos de 50 funcionários, ou cinco trabalhadores, em empresas com pelo menos 50 trabalhadores.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Epifania do Mês: "Se queremos investir mais na qualidade da educação, na qualidade do sistema de saúde e nos serviços públicos não podemos consumir todos os recursos disponíveis com quem trabalha no Estado" - António Costa (Tunísia, Novembro de 2017) www.jornaldenegocios.pt/economia/financas-publicas/orcamento-do-estado/detalhe/costa-nao-podemos-consumir-todos-os-recursos-com-quem-trabalha-no-estado-se-queremos-investir-na-educacao-e-saude

pub