Banca & Finanças Detalhes da capitalização da CGD de fora da proposta de Orçamento
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Detalhes da capitalização da CGD de fora da proposta de Orçamento

Os pormenores da capitalização da CGD ficam de fora da proposta de OE. A gestão e o auditor ainda estão a apurar as necessidades finais da Caixa, processo que só deve acabar em Novembro. Banco receberá até 2.700 milhões de dinheiro fresco.
Detalhes da capitalização da CGD de fora da proposta de Orçamento
Miguel Baltazar
Maria João Gago 12 de Outubro de 2016 às 21:00

Os detalhes do aumento de capital que o Estado vai fazer na Caixa Geral de Depósitos vão ficar de fora da proposta de Orçamento do Estado para 2017 que o Governo apresenta esta sexta-feira, apurou o Negócios. Isto porque

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas


Comemorações Oficiais

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


AS CLASSES SOCIAIS EM PORTUGAL:

1. Burguesia = Patrões

2. Nobreza = FP e seus pensionistas

3. Povo = Trabalhadores do privado (que são tratados como escravos e roubados para sustentar as 2 classes privilegiadas)

comentários mais recentes
Maria Cordes Há 2 semanas

TIDE, branco mais branco, não há; toca a branquear os corruptos e a corrupção na CGD, Farias de Oliveira, Varas, Matos, Costas & companhia, âs dezenas,que ainda vamos ver a pavonear-se, não fiz, não vi, não foi comigo foi com o outro, enfim a bandalheira do costume, que já se estava a advinhar...

Anónimo Há 2 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

UM EXEMPLO DE INJUSTIÇA QUE É URGENTE CORRIGIR

Um técnico superior reformado em 2005 pela Caixa Geral de Aposentações (CGA) levou uma pensão de 2.026 euros consigo. Se se tivesse aposentado na mesma altura, com o mesmo salário, pelas regras da Segurança Social, teria levado para casa 1.512 euros.

Ora bem 500€ x 10 anos x 12 meses = 60.000€ a mais, que esse gajo já embolsou desde 2005, à custa de quem trabalha.
Rica mama.
Deve ser obrigado a devolver tudo.

Enganei-me nas contas, são 14 meses por ano, ainda lhe estava a perdoar 10.000€ (sortudo).
Afinal tem que devolver 70.000€.

Receber 70.000€ a mais, em 10 anos?
Isso dá para comprar um carro de 30.000€, de 4 em 4 anos.
Este é mesmo o país das maravilhas... para alguns.

Anónimo Há 2 semanas


Comemorações Oficiais

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


AS CLASSES SOCIAIS EM PORTUGAL:

1. Burguesia = Patrões

2. Nobreza = FP e seus pensionistas

3. Povo = Trabalhadores do privado (que são tratados como escravos e roubados para sustentar as 2 classes privilegiadas)

Anónimo Há 2 semanas

Agentes da PSP, juristas e advogados "apagavam multas". A CLASSE CRIMINOSA DE ADVOGADOS ESTÁ METIDA EM TUDO. ROUBAM HERANÇAS E TUDO O MAIS. CLASSE MAIS CRIMINOSA NÃO HÁ.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub