Saúde DGS admite epidemia de sarampo, mas "maioria da população está protegida"

DGS admite epidemia de sarampo, mas "maioria da população está protegida"

Desde o início do ano, e com maior incidência nos últimos dias, foram reportados 23 casos de sarampo em Portugal, dos quais 11 estão confirmados. O director geral da Saúde, Francisco George, admite que estamos perante uma epidemia, mas sossega a população: “A grande maioria da população está protegida”.
DGS admite epidemia de sarampo, mas "maioria da população está protegida"
Micaela Neto/Sábado
Sara Antunes 17 de abril de 2017 às 12:16

Francisco George, director-geral da Saúde, revelou à Antena 1 que "desde o dia 1 de Janeiro" foram "notificados à Direcção Geral da Saúde 23 casos, dos quais 11 estão devidamente confirmados", com as análises feitas pelo Instituto Ricardo Jorge a confirmarem que se trata de casos de sarampo. "Há outros 12 que ainda estão em investigação", revelou.

 

Questionado sobre se Portugal está sob um surto de sarampo, o responsável afirmou que "é uma actividade epidémica, seguramente que sim, mas estamos certos que não vamos ter problemas, porque a grande maioria da população está protegida", admitindo que a percentagem da população protegida pode atingir os 99%.

 

Ainda assim, Francisco George diz estarmos "perante situações preocupantes", sendo "absolutamente incompreensível que uma mãe ou um pai não vacinem as suas crianças". E adianta: "quando não estamos a vacinar um filho estamos a criar uma bolsa que permite ao vírus circular."

 

"É preciso que as mães tenham consciência que não podem pôr não só os seus filhos como os filhos dos outros" em perigo. "As crianças vacinadas não correm risco", afirma, assegurando que a vacina é "muito eficaz."

 

Os sintomas do sarampo são "febre alta com prostração, manchas vermelhas mas acompanhado de catarro, a criança está constantemente a tossir", libertando secreções que "podem transmitir o vírus do sarampo", explicou o responsável na Antena 1.

 

Francisco George garante que "a vacina é eficaz" e que "não falta vacinas" em Portugal, defendendo mesmo que a vacinação seja obrigatória, à semelhança do ensino.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Demite-se ou não ? 17.04.2017

este velho incompetente demite-se ou não ? acha que não tem responsabilidade na matéria ?

Saber mais e Alertas
pub