África Diamantes angolanos voltam a render menos em Novembro

Diamantes angolanos voltam a render menos em Novembro

O preço médio de cada quilate vendido também desceu, neste caso para 116,9 dólares, quando em outubro se cifrou nos 145 dólares e em Setembro nos 129,5 dólares.
Diamantes angolanos voltam a render menos em Novembro
Lusa 21 de dezembro de 2016 às 10:27

O encaixe com a exportação de diamantes angolanos voltou a cair em Novembro, para quase 91 milhões de euros, apesar de a quantidade vendida até ter aumentado, para 806,5 mil quilates, segundo um relatório do Ministério das Finanças.

 

O documento, relativo à arrecadação de receitas pelo sector diamantífero angolano, ao qual a Lusa teve hoje acesso, indica que a exportação, em termos de quantidade, aumentou 15%, enquanto as vendas arrecadadas desceram mais de 7%, para 94,2 milhões de dólares (90,8 milhões de euros), tendência que se verifica desde Setembro.

 

O preço médio de cada quilate vendido também desceu, neste caso para 116,9 dólares, quando em outubro se cifrou nos 145 dólares e em Setembro nos 129,5 dólares.

 

Depois do petróleo, os diamantes são o maior produto de exportação de Angola.

 

Entre impostos e 'royalties', pagos em moeda nacional, estas vendas representaram um encaixe em receitas fiscais de 1.151 milhões de kwanzas (6,7 milhões de euros), o que compara com os 1.292 milhões de kwanzas (7,5 milhões de euros) em Outubro, uma quebra de quase 10% no espaço de um mês.

 

O país atingiu em 2015 um novo recorde de produção de diamantes, com 8,837 milhões de quilates, que renderam ao país 1,107 mil milhões de dólares (1.066 milhões de euros).

 

Em 2014, a produção de diamantes em Angola atingiu o valor de 1,303 mil milhões de dólares (1.255 milhões de euros).

 

O Governo angolano espera mais do que duplicar a produção nacional de diamantes nos próximos cinco anos, com a entrada em exploração de novas minas.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub