União Europeia Dijsselbloem diz que negociações sobre o Brexit vão durar “muito mais de dois anos”

Dijsselbloem diz que negociações sobre o Brexit vão durar “muito mais de dois anos”

O presidente do Eurogrupo considera que as negociações são muito complexas e que ambos os lados se olham com "alguma desconfiança".
Dijsselbloem diz que negociações sobre o Brexit vão durar “muito mais de dois anos”
Reuters
Negócios 16 de Novembro de 2016 às 12:28

Jeroen Dijsselbloem considera que as negociações sobre o Brexit são "muito complexas" e, por isso, durarão muito mais tempo do que os dois anos previstos.

 

O Governo liderado por Theresa May tem intenção de accionar o Artigo 50 do Tratado de Lisboa no final de Março, dando início ao período de 24 meses até à desvinculação do Reino Unido da União Europeia.  

 

"As negociações são muito complexas. Vão demorar muito mais do que dois anos", referiu o também ministro holandês das Finanças, num evento em Londres, citado pela Reuters. Dijsselbloem acrescentou ainda que ambos os lados se vêem um ao outro com "alguma desconfiança".

 

Segundo avançava o Financial Times esta terça-feira, os negociadores europeus do Brexit pretendem tratar do divórcio do Reino Unido da UE, e só depois de um acordo pós-Brexit.

 

Na primeira etapa da separação, que Bruxelas deseja ver concluída em meados de 2018 - para poder ser efectivada no início de 2019 - far-se-á também o acerto de contas. 

O antigo comissário francês Michel Barnier - que está encarregue de chefiar as negociações do lado europeu - quererá que todos os compromissos financeiros até agora assumidos por Londres sejam cumpridos. Cálculos do jornal britânico apontam para uma factura a oscilar entre 40-60 mil milhões de euros. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
PORTUGUES Há 2 semanas

Fala assim porque é a Inglaterra. Se fosse Portugal, queria que fosse ja este ano, cortes em tudo e mais alguma coisa entre outras coisas mais a pejudicar o País. Tal como aconteceu com a França e as metas orçamentais. França é a França os outros...lixam-se. Assim nunca teremos uma Europa unida.

pub
pub
pub
pub