Política Dijsselbloem vai permanecer na liderança do Eurogrupo até terminar o mandato

Dijsselbloem vai permanecer na liderança do Eurogrupo até terminar o mandato

Dijsselbloem vai continuar a liderar o Eurogrupo até Janeiro, altura em que termina o seu mandato. Mesmo que entretanto fique sem a pasta das Finanças holandesas. E conta com "apoio unânime" do Eurogrupo.
Dijsselbloem vai permanecer na liderança do Eurogrupo até terminar o mandato
Negócios com Lusa 09 de outubro de 2017 às 18:26

Jeroen Dijsselbloem vai continuar a ser o presidente do Eurogrupo – ministros das Finanças da Zona Euro – até ao final do seu mandato, que é em Janeiro de 2018. Mesmo que entretanto deixe de ser o ministro das Finanças dos Países Baixos, o que poderá acontecer nas próximas semanas. Isto porque as eleições que decorreram em Março ditaram a derrota do partido de Dijsselbloem, os trabalhistas do PvdA, que se auto-excluíram das negociações para a formação de uma coligação de governo.

"O rumor é que vamos ter um novo Governo na Holanda, que, de acordo com as mais recentes notícias, poderá estar em funções na semana de 23 de Outubro, pelo que eu deixaria o meu posto nessa semana. Dei conta aos meus colegas do Eurogrupo da minha intenção de concluir o meu mandato, que termina em 13 de Janeiro (de 2018), obviamente se os colegas do Eurogrupo apoiassem. Houve apoio unânime, toda a gente concordou que eu permaneça até meados de Janeiro", disse, no final de uma reunião no Luxemburgo, citado pela Lusa.

Ainda esta segunda-feira foi noticiado que o primeiro-ministro Mark Rutte está a caminho de liderar uma terceira solução governativa, desta feita formada por quatro partidos. De acordo com a imprensa holandesa, citada pelo site Politico, esta segunda-feira, 9 de Outubro, foi divulgada uma proposta de acordo de governo pelo chefe de negociação, Gerrit Zalm, em Haia. Cada um dos quatro partidos envolvidos irá apresentar, esta tarde, o esboço de acordo aos respectivos grupos parlamentares, sendo que na terça-feira Zalm revelará se há, ou não, consenso.

 

O anúncio foi feito pelo próprio Dijsselbloem, esta segunda-feira, 9 de Outubro, depois de ter decorrido uma reunião do Eurogrupo – a última com a presença de Wolfgang Schäuble como ministro das Finanças da Alemanha.

 

Dijsselbloem lidera o Eurogrupo desde 2013, terminando o seu segundo mandato e Janeiro de 2018. As regras europeias referem que um candidato à liderança do Eurogrupo tem de ser ministro das Finanças, contudo são omissas quanto à possibilidade de um entretanto ex-ministro poder, ou não, concluir o respectivo mandato para o qual foi eleito. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 1 semana

Mundo as avessas,agora q ele vai ficar desempregado e q devia continuar no cargo.Sem bem q um homem talentoso como ele tem ja emprego.O d.branca bem disse q ia abrir uma garrafa q lhe deram quando ele se fosse embora,se tiver sorte ainda vai aproveitar para fazer vinagre dela.Socialista ultramoderno

pub
pub
pub
pub