África Dívida angolana começa a ser negociada em bolsa

Dívida angolana começa a ser negociada em bolsa

A venda, em tempo real, de títulos do Tesouro, foi esta terça-feira inaugurada pela ministro das Finanças de Angola. Archer Mangueira sustenta que esta decisão pode ajudar o país a aumentar os níveis de poupança.
Dívida angolana começa a ser negociada em bolsa
Siphiwe Sibeko/Reuters
Lusa 15 de novembro de 2016 às 12:21

O ministro das Finanças de Angola admite que os níveis de poupança no país ainda são reduzidos, cenário que a nova Bolsa de Valores em Luanda, cuja sessão de abertura teve lugar esta terça-feira, 15 de Novembro, pode ajudar a inverter.

Archer Mangueira discursava na inauguração do Mercado de Bolsa, que a partir de hoje passou a permitir a compra e venda, em tempo real, de Títulos do Tesouro, emitidos pelo Estado angolano, mas prevendo o posterior alargamento à emissão de dívida pelas empresas.

"Nós não queremos ter uma Bolsa de Valores em Angola somente para embelezar as nossas lapelas nas arenas internacionais. A Bolsa de Valores existe para promover a poupança e canalizá-la de modo eficiente para as empresas e para as políticas públicas", afirmou Archer Mangueira.

Acrescentou que desde maio de 2015, aquando do lançamento do Mercado de Registo de Títulos do Tesouro, já foram transaccionados títulos no valor de 3.000 milhões de dólares (2,8 mil milhões de euros), negociação que agora transita para o mercado de bolsa.

Trata-se de um mercado gerido pela Bolsa de Dívida e Valores de Angola (BODIVA), uma sociedade de capitais exclusivamente públicos criada em 2014 para operacionalizar e gerir os mercados regulamentados de valores mobiliários, no âmbito da Comissão do Mercado de Capitais (CMC) de Angola.

"Tenho consciência que não existe poupança suficiente no nosso país. Não certamente para tudo o que precisa de ser feito, por isso é necessário enraizar na nossa sociedade uma cultura de poupança e de investimento. A poupança nunca será demais, especialmente quando dá origem a investimentos melhores", enfatizou o ministro.


A inauguração do Mercado de Bolsa, com acompanhamento das cotações a poder ser feito na internet, acontece após a migração dos Títulos do Tesouro, até agora negociados no Mercado de Registo, da plataforma SIGMA, do Banco Nacional de Angola, para a nova plataforma da BODIVA, disponível online.

Aquela entidade pública espera que a nova plataforma de negociação e pós-negociação venha a conferir "maior profundidade e liquidez ao segmento de títulos de dívida pública".

"A partir de hoje passa a estar disponível para qualquer cidadão o acesso a títulos de divida pública através da bolsa de valores. Qualquer pessoa que tenha a alguma poupança pode agora criar a sua carteira de títulos de tesouro recorrendo aos serviços da BODIVA e agentes de intermediação", explicou o governante.

Archer Mangueira foi nomeado em Setembro, pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, para o cargo de ministro das Finanças, depois de ter passado os últimos cinco anos a liderar a CMC.

"Acredito que o mercado secundário de títulos públicos irá converter-se num dos principais instrumentos de política monetária à disposição do Banco Nacional de Angola", disse o ministro, admitindo ainda a abertura destas emissões de títulos a capital estrangeiro.

Paralelamente, foi lançada hoje a Central de Valores Mobiliários de Angola, uma unidade orgânica da BODIVA que ficará "responsável pela custódia, compensação e liquidação dos títulos transaccionados nos mercados regulamentados".

 

Esta nova unidade, segundo a BODIVA, "impulsionará" o surgimento de outros segmentos de bolsa, "nomeadamente o mercado obrigacionista e accionista" por permitir "a desmaterialização dos títulos, de obrigações ou de acções, facilitando a sua admissão e negociação em mercado regulamentado".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub