Conjuntura Dívida das famílias portuguesas cai para mínimo de nove anos  

Dívida das famílias portuguesas cai para mínimo de nove anos  

Desde 2010, o endividamento das famílias portuguesas baixou 15%, num total de 24,8 mil milhões de euros.  
Dívida das famílias portuguesas cai para mínimo de nove anos  
Miguel Baltazar/Negócios
Nuno Carregueiro 22 de Dezembro de 2016 às 14:39

As famílias portuguesas continuam a liderar o processo de desalavancagem da economia portuguesa, sendo que após cinco anos consecutivos de descida da dívida esta atingiu em Outubro o valor mais baixo desde 2007, primeiro ano para o qual o Banco de Portugal disponibiliza dados.

 

O endividamento total dos particulares situava-se em 143.575 milhões de euros em Outubro, depois de no anterior ter pela primeira vez quebrado em baixo a fasquia dos 144 mil milhões de euros.

 

Tendo em conta esta evolução, é já possível garantir que 2016 será o sexto ano consecutivo de descida no valor da dívida das famílias portuguesas. Nos primeiros 10 meses do ano o endividamento recuou 1,3%, prolongando a tendência de descida registada em todos os cinco anos anteriores (-2,6% em 2015; -2,3% em 2014; -3,7% em 2013; 3,6% em 2012 e -2,7% em 2011).

 

Comparando Outubro deste ano com o final do último ano de subidas (Dezembro de 2010), o endividamento das famílias portuguesas baixou 15%, num total de 24,8 mil milhões de euros. O peso da dívida na economia estava no terceiro trimestre nos 78,36% do PIB, o que compara com os mais de 90% verificados em 2007.

 

Uma redução saudável que é explicada pelo travão no crédito às famílias por parte dos bancos, mas também pela recessão que obrigou os particulares a cortar no consumo. A descida das taxas de juro para mínimos históricos também contribuiu para baixar o endividamento das famílias, que assim conseguem abater todos os meses uma maior parcela do capital em dívida.

 

Não são só as famílias que estão menos endividadas, mas lideram claramente o movimento de desalavancagem da economia portuguesa. As empresas privadas chegaram a Outubro deste ano com uma dívida de 266.203 milhões de euros, ligeiramente acima do registado em Setembro e em linha com o verificado no final do ano passado. Não é assim certo que 2016 seja mais um ano de descida do valor da dívida das empresas portuguesas, tal como aconteceu em 2015 (-1,7%), 2014 (-2,5%) e 2012 (-3,6%). Nestes quatro anos o endividamento baixou 7,6%.

 

Somando a dívida das famílias e das empresas privadas, à das companhias públicas e administrações públicas, o endividamento do sector não financeiro atingiu em Outubro 719,8 mil milhões de euros, dos quais 310 mil milhões respeitavam ao sector público e 409,8 mil milhões ao sector privado.

 

O Banco de Portugal assinala que o endividamento do sector não financeiro diminuiu 500 milhões de euros, com uma descida mais acentuada no sector público, devido "sobretudo, à redução do financiamento externo, que foi parcialmente compensada pelo incremento do financiamento pelas próprias administrações públicas, pelo sector financeiro e pelos particulares.




A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas


Comemorações Oficiais

Ladrões PS- PCP- BE- FP- CGA - 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


MAIS UM ORÇAMENTO CRIMINOSO DA GERINGONÇA E DOS SEUS APOIANTES.

Mais despesa

Mais dívida

Mais juros

Mais impostos

MAIS DESIGUALDADE SOCIAL

comentários mais recentes
Miguel Martins Há 4 semanas

Os bancos já não emprestam !! :-)

Anónimo Há 4 semanas

Curioso! Então, nos últimos 5 anos, é em 2016 que as famílias menos reduzem o seu endividamento? Mesmo depois da devolução de rendimentos de trabalho, apregoado pela Geringonça? O vizinho da China tem que explicar melhor aos portugueses, como foi isto possível!!!

Anónimo Há 4 semanas

Dívida das famílias portuguesas cai para mínimo de nove anos

tudo obra de passos coelho!
ou será que não?

José Luís Jacinto Jorge Há 4 semanas

É capaz... há meio milhão não conta nas estatisticas porque estão noutri país... porque se cá tivessem....estudos de merda feito por jornalismo de merda

ver mais comentários
pub