Finanças Públicas Dívida pública subiu 1,6 mil milhões em 2017  

Dívida pública subiu 1,6 mil milhões em 2017  

A dívida pública desceu em Dezembro pelo quarto mês consecutivo, reduzindo o aumento acumulado em 2017 para 1,6 mil milhões de euros.
Nuno Carregueiro 01 de fevereiro de 2018 às 11:07

A dívida pública terminou 2017 nos 242,6 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 1,6 mil milhões de euros face ao registado no final de 2016.

 

Os dados foram revelados esta manhã pelo Banco de Portugal e mostram que o endividamento recuou ligeiramente em Dezembro (200 milhões de euros), sendo já o quarto mês consecutivo de alívio no valor da dívida pública.

 

A evolução da dívida pública teve um comportamento distinto ao longo do ano, com fortes subidas nos primeiros meses e descidas na recta final de 2017. Em Agosto superou pela primeira vez a fasquia dos 250 mil milhões de euros, acumulando uma subida de 9,4 mil milhões de euros desde o início do ano. Nos quatro meses seguintes registou uma queda de 7,8 mil milhões de euros, que apesar de não travar o crescimento do valor em termos nominais, terá sido suficiente para colocar o peso da dívida no PIB a descer.

 

Dado não ser ainda conhecido o valor do PIB em 2017, não é possível determinar o peso da dívida na economia na totalidade do ano passado. Contudo, dado que o PIB terá registado o crescimento mais forte da década (em torno de 2,7%), é certo que o rácio terá descido. O primeiro-ministro adiantou o mês passado que em 2017 a dívida pública terá ficado em 126,2% do PIB. Trata-se de um valor abaixo dos 127% inicialmente estimados e dos 130,1% registados em 2016.

 

Reembolsos ao FMI compensam mais emissões

 

Os reembolsos ao FMI efectuados no ano passado foram determinantes para esta descida do endividamento da economia portuguesa, que permitiram compensar o aumento das emissões de dívida.

 

Segundo o Banco de Portugal, no ano passado o país aumentou a emissão de títulos de dívida em 9,4 mil milhões de euros e de certificados do Tesouro em 3,8 mil milhões de euros. Já os reembolsos antecipados ao FMI foram de cerca de 10 mil milhões de euros.

 

O Tesouro português aproveitou as baixas taxas de juro do mercado para aumentar as emissões de obrigações do Tesouro e produtos de poupança para o retalho e ao mesmo tempo anular parte do empréstimo do FMI, que tem custos mais elevados.

 

O banco central acrescenta que os activos em depósitos das administrações públicas diminuíram 2,9 mil milhões de euros em 2017. Assim, a dívida pública líquida de depósitos das administrações públicas registou um aumento de 4,6 mil milhões de euros em relação a 2016, totalizando 2.230 mil milhões de euros.

(notícia actualizada às 11:25 com mais informação)




A sua opinião29
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 14.02.2018

Um bom resultado, a dívida baixa para os 126% do PIB, bem menos que os 129% do PIB deixados pelo anterior Governo, que herdou uma dívida nos 98% do PIB em junho de 2011, e a deixou em 129% do PIB, apesar de ter recebido mais dezenas de milhares de milhões de Euros em cortes e privatizações,

Judas a cagar no deserto 01.02.2018

Os canhotos no seu melhor..............tristeza.

O Título da Notícia 01.02.2018

Fez-me Lembrar o filme que meu bébé Muito Gosta, As Quinta ao Contrário, então é a dívida subiu 1,6 Mil Milhões de Euros, para depois dizer, A dívida pública desceu em Dezembro pelo quarto mês consecutivo. Muita maneira de matar Pulgas, como de contar histórias, ou não ter que dizer, mas ter de Escr

General Ciresp 01.02.2018

Ora ca esta:o bebado encharca-se de Janeiro ate novembro,de seguida abranda porque tem 1 consulta medica. em meados de dezembro.Estes 1,6.000.000.000 de euros sao de RETIFICATIVOS nao declarados mais 10x est montante q a casalinho vao so mercado buscar.Aqui e q eu gostava de ouvir o 100abrigo do psd

ver mais comentários
pub