Finanças Públicas Dívida pública desce 2,5 mil milhões para mínimos de Janeiro

Dívida pública desce 2,5 mil milhões para mínimos de Janeiro

No espaço de apenas três meses a dívida pública em Portugal recuou mais de 7,5 mil milhões de euros.
Dívida pública desce 2,5 mil milhões para mínimos de Janeiro
Miguel Baltazar/Negócios
Nuno Carregueiro 02 de janeiro de 2018 às 11:12

A dívida pública desceu 2,5 mil milhões de euros em Novembro, colocando o endividamento público no nível mais reduzido desde Janeiro do ano passado.


De acordo com os dados hoje divulgados pelo Banco de Portugal, no espaço de apenas três meses a dívida pública em Portugal recuou mais de 7,5 mil milhões de euros, em grande parte devido aos reembolsos efectuados ao FMI.


"Esta variação reflecte essencialmente o reembolso antecipado de empréstimos do Fundo Monetário Internacional", que em Novembro totalizou 2,8 mil milhões de euros, refere a nota do Banco de Portugal. Contra Novembro de 2016, a dívida líquida aumentou mil milhões de euros. 

Em Outubro a dívida pública tinha registado uma queda ainda maior (3,8 mil milhões de euros), em grande parte devido à amortização, efectuada a 16 de Outubro, de uma obrigação do Tesouro a 10 anos, no valor de seis mil milhões de euros.

Em Novembro o Estado português pagou mil milhões de euros ao FMI, elevando para 10 mil milhões de euros os pagamentos antecipados em 2017 e para 80% o total do empréstimo já amortizado. 

Quanto à dívida pública líquida de depósitos das administrações públicas registou uma descida de 600 milhões de euros em relação a Outubro, totalizando 222,2 mil milhões de euros. Os activos em depósitos das administrações públicas diminuíram 1,8 mil milhões de euros.

As previsões do Governo apontam para que a dívida pública chegue ao final do ano nos 126,2% do PIB, descendo novamente, em 2018, para 123,5% do PIB. Dado Novembro não ser um mês de final de trimestre, só é possível apurar o peso da dívida pública na economia em relação a Setembro. Tal como o Banco de Portugal já tinha revelado, a dívida pública no terceiro trimestre ficou em 130,8% do PIB, abaixo dos 132,1% do segundo trimestre.


(notícia actualizada às 11:20 com mais informação)




A sua opinião25
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Ou seja, como continuamos com défice, a redução da dívida ou vem da venda de ativos do estado ( privatizações ); ou da redução da almofada de reservas financeiras. Ou seja, não há uma redução estrutural da dívida! Era importante que quando se fala da descida da divida se explique bem o que se passa.

Anónimo Há 1 semana

O défice reduziu-se um pouco, mas onde o governo devia cortar, no despesimo com assalaridos desnecessários, não cortou. Isso pesa sobre o investimento público em importantes equipamentos e materiais vários em todo o sector público que devia servir os cidadãos em vez de se servir deles. https://www.dn.pt/portugal/interior/escolas-sem-dinheiro-para-aquecer-salas-e-renovar-material-9020588.html

Tuga alentejano \/ Há 1 semana

Andam a pagar os 78.000.000.000 eur que o Sócrates pediu à Troika ?

Andam a pagar os 78.000.000.000 eur que o Sócrates pediu à Troika ?

Andam a pagar os 78.000.000.000 eur que o Sócrates pediu à Troika ?

Andam a pagar os 78.000.000.000 eur que o Sócrates pediu à Troika ?

pertinaz Há 1 semana

CHAPA GANHA CHAPA GASTA...!!!

ver mais comentários