Finanças Públicas Dívida pública supera os 133% do PIB e atinge novo recorde

Dívida pública supera os 133% do PIB e atinge novo recorde

A dívida pública portuguesa manteve a tendência de agravamento no terceiro trimestre deste ano, atingindo o valor mais elevado pelo menos desde 2007, mostram os dados do Banco de Portugal.
Dívida pública supera os 133% do PIB e atinge novo recorde
Miguel Baltazar
Nuno Aguiar 21 de Novembro de 2016 às 13:44

Em Setembro de 2016, a dívida pública portuguesa atingiu os 133,08% do produto interno bruto (PIB). Este é o valor mais elevado de toda a série do Banco de Portugal, que recua até 2007, e mostra que o endividamento do sector público ainda não entrou numa trajectória descendente.

 

Este valor representa um crescimento face ao trimestre anterior (131,7% do PIB) e ao mesmo período de 2015 (130,4%). Em valores absolutos, a dívida pública ascende a 244,4 mil milhões de euros, tendo também aumentado em cadeia e em termos homólogos.

 

Recorde-se que no Orçamento do Estado para 2016 foi inscrito um valor de 127,7% do PIB para a dívida, entretanto revisto em alta no OE 2017 para 129,7%. Isso exigirá uma descida de mais de três pontos percentuais nos últimos três meses do ano.

 

Este é o valor "bruto" da dívida. Isto é, conta com os depósitos do Estado. A dívida líquida é mais baixa, tendo atingido os 121,5% até Setembro. Contudo, a tendência não é dramaticamente diferente. Apresenta uma ligeira descida face ao segundo trimestre deste ano (121,8%), mas é superior ao mesmo trimestre de 2015 (119,6%).

 

"Entre Janeiro e Setembro de 2016, o financiamento das administrações públicas foi de 3,9 mil milhões de euros, inferior aos 4,2 mil milhões de euros registados em igual período de 2015", pode ler-se na publicação do Banco de Portugal. "O financiamento obtido pelas administrações públicas junto dos bancos e de outros financiadores residentes aumentou (2,3 mil milhões de euros e 8,0 mil milhões de euros, respectivamente)."

Na vertente externa, o financiamento diminuiu 6,4 mil milhões de euros, o que reflecte uma redução dos títulos de dívida (-3,3 mil milhões), assim como o reembolso antecipado ao FMI de Fevereiro de 2016 (-2 mil milhões).




A sua opinião34
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado soros-bq Há 1 semana

Mas que novidade...
Ora vejamos, eu tenho um salario de 1000€/mês mas todos os meses gasto 1028€, ou seja, todos os meses aumento a minha divida em 28€ (défice de 2,8%).
Se gasto mais do que recebo, a divida só pode aumentar, não?

comentários mais recentes
M. Escafrandina Há 1 semana

Como dizia o outro: a dívida é para gerir ; vai-se pagando dívida que vence com nova dívida e assim a bola vai rolando, mas como a voracidade do monstro nacional nao pára, temos de ir contraindo mais e mais dívida,e bola vai ficando inchada até rebentar. E quem vai pagar? A resposta já é sabida.

Anónimo Há 1 semana

O país continua a endividar-se porque em vez de gestores tem "políticos" que sabem só governar-se a eles próprios,amigos e os partidos.Enquanto este regabofe continuar o país pobre com tiques de rico vai afundando-se e a soberania é uma miragem.Votar em gentalha desta "jamais"!!

Antónimo Há 1 semana

Com os mentideiros plitiqueiros pafianos, a dívida subiu de 95 para 130,5% do PIB! e é juntar-lhe os mais de 10 mil milhões de receita adicional com as privatizações, e, empurrando a resolução da banca para a frente (palvras da Comissão Europeia e de Cavaco). Onde pára essa pipa de massa?

lol Há 1 semana

Com a laranjada aldrabona o ano passado atingiu 135% do PIB

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub