União Europeia Dívida e défice de Portugal foram os terceiros maiores entre os países da UE

Dívida e défice de Portugal foram os terceiros maiores entre os países da UE

Em 2015, só a Grécia e Itália tinham mais dívida pública (em percentagem do PIB) do que Portugal. No capítulo do défice, foram a Grécia e Espanha a superar.
Dívida e défice de Portugal foram os terceiros maiores entre os países da UE
Bloomberg
Rita Faria 21 de Outubro de 2016 às 10:52

Em 2015, Portugal registou um défice de 4,4% do PIB e o rácio da dívida pública em relação ao PIB ascendeu a 129%. Estes foram os terceiros valores mais elevados entre todos os países da União Europeia.

 

No capítulo da dívida pública em percentagem do PIB, Portugal foi superado apenas pela Grécia e por Itália. Atenas fechou o ano com um rácio de 177,4%, e Itália com 132,2%. No que respeita ao défice, os primeiros lugares foram ocupados pela Grécia (7,5%) e pela vizinha Espanha (5,1%).

 

Segundo os dados divulgados esta sexta-feira, 21 de Outubro, pelo Eurostat, tanto o défice como a dívida da Zona Euro e da União Europeia em 2015 desceram em relação ao ano anterior.

 

Na região da moeda única, o défice dos governos em relação ao PIB caiu de 2,6%, em 2014, para 2,1% no ano passado, enquanto na União Europeia o decréscimo foi de 3% para 2,4%. No que diz respeito à dívida pública, o rácio diminuiu de 92%, no final de 2014, para 90,4% no ano passado. Já no bloco dos 28, a dívida pública dos países ascendeu a 85% do PIB, no ano passado, o que compara com os 86,7% de 2014.

 

Mas nem todos os países fecharam o ano com um défice orçamental. Na verdade, quatro registaram um excedente: o Luxemburgo (1,6%), a Alemanha (0,7%), a Suécia (0,2%) e a Estónia (0,1%).

 

Entre os restantes, os défices mais baixos registaram-se na Lituânia (-0,2%), República Checa (-0,6%), Roménia (0,8%) e Áustria (-1%).

 

No total, seis Estados-membros registaram défices iguais ou superiores a 3% do PIB, o limite estabelecido no Tratado de Maastricht mas que, até agora, muitos países têm furado os limites: Grécia, Portugal, Espanha, Reino Unido (4,3%), França (3,5%) e Croácia (3,3%). 




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Rapaz Há 2 semanas

Este orçamento é proporcional intelectualmente e similarmente representativo de quem o fez, e de quem o defende e concorda com ele! Confesso por estupidez minha, que estive de novo a estuda-lo para que as minhas afirmações não fossem levianas e irresponsáveis, concluindo que o crescimento será bem menor para 2017 ( variação negativa ), a taxa de desemprego incorreta ( Acima de 13%) e a inflação será bem maior do que a esperada. A dívida pública irá crescer 10% no próximo ano e a recuperação dos preços das matérias primas a nível internacional, fará com que haja um colapso económico em Portugal, pois um governo ilegítimo não consegue prever os maus ventos e tempestades que se aproximam! Novembro está mais próximo! Só espero que os partidos que representam a direita em Portugal deixem bastante claro com poucas palavras, o descalabro que se aproxima e não interfiram nem participem, nesta agenda ruinosa ( Orçamento ) e na feira em que se tornou o parlamento Nacional. Deixem os partidos de esquerda e o Presidente, responsabilizarem-se ao máximo com o futuro próximo do País. Estejam atentos

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Leitor das 12::00 , o Juca não é o burro , deve estar a olhar-se ao espelho , vá informar-se bem, a divida subiu exponencialmente nos governos de Sócrates, porque é que acha que pediram um resgate?A estupidez tem limites meu caro. O défice 2015 foi de 2:08.

Anónimo Há 2 semanas

Que admiração com esta giringonça no poder com o apoio do PR , e da comunicação social ? Com Costa passa-se o mesmo que com Sócrates tem a C:S na mão http://ionline.sapo.pt/artigo/531483/socrates-pagava-blogue-para-elogiar-governo-e-atacar-inimigos-?seccao=Portugal_i

Carlos Silva Há 2 semanas

Medalha de bronze.

Anónimo Há 2 semanas

Em que posição ficou Portugal em 2011 quando tinha um defice de 11% mesmo sem intervencoes criminosas em Bancos?

ver mais comentários
pub