Saúde Dívidas de hospitais aumentaram 24% em Maio

Dívidas de hospitais aumentaram 24% em Maio

A dívida do Centro Hospital Lisboa Norte, que integra o Santa Maria e o Pulido Valente, atingiu 153 milhões de euros em Maio. Um valor superior à dívida de 15 instituições do Norte, segundo o Jornal de Notícias.
Dívidas de hospitais aumentaram 24% em Maio
Bruno Simão
Negócios 16 de agosto de 2017 às 10:28

As dívidas dos hospitais têm aumentado em todo o país. No mês de Maio, a dívida dos hospitais do sector empresarial do Estado somavam 1,2 mil milhões de euros, um agravamento de 24% face ao mesmo período de 2016 e, segundo o Jornal de Notícias, um valor nunca alcançado durante 2016.

De acordo com os dados da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) citados pelo mesmo jornal, o Centro Hospitalar Lisboa Norte – que integra o Santa Maria e o Pulido Valente – devia aos fornecedores 153 milhões de euros. Um número que supera os pagamentos em atraso de 15 instituições do Norte: oito hospitais, três unidades locais de saúde e um instituto de oncologia. No total, estas instituições do Norte tinham dívidas de 137 milhões de euros. As farmacêuticas lideram a lista dos principais credores dos hospitais.

Questionada pelo Jornal de Notícias, fonte oficial da ACSS explicou que os ministério da Saúde e das Finanças "encontram-se a analisar soluções que permitam, de forma sustentada, diminuir a dívida a fornecedores externos e diminuir igualmente a amplitude das variações ao longo do ano".

Aliás, a mesma fonte adiantou ainda que entre Abril e Junho injectou "verbas extraordinárias nos hospitais de 32 milhões de euros por mês". Porém, "o ritmo a que está a ser feita a injecção é inferior ao ritmo de acumulação de novos pagamentos em atraso", sublinha a ACSS.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 5 dias

A folha salarial e de pensões do excedentarismo é muito onerosa e não pára de aumentar. Melhoria do serviço com redução dos custos dos mesmos implica investimento público em bens de capital. A referida folha não o permite porque a lei laboral e a máfia sindical não deixam.

comentários mais recentes
Ó ricardo Há 4 dias

Ó Ricardo. O outro foi para Paris. Este, quando der à sola, deve ir para a Índia. Mas tu e eu ficamos e quando a factura chegar, também te toca a pagar. O melhor será guardares parte das avenças que recebes pela beijakusice, para os dias de chuva que chegarão. Homem prevenido...

Anónimo Há 4 dias

Com os xu xas é sempre a mesma coisa, são peritos em esconder divida em tudo o que é buraco. São tão peritos que fizeram o mesmo no próprio partido e vejam só, faliram.

Anónimo Há 4 dias

O Ricardo percebe tanto disto como eu de alguidares de azeite. Ou então percebe mas é mais um de muitos avençados da máfia do largo do rato.

pertinaz Há 5 dias

AS CONTAS PÚBLICAS DA ESCUMALHA ESTÃO TODAS MARTELADAS...!!!

E NÃO HÁ MAIS NOTÍCIAS DESTAS PORQUE AS EMPRESAS DA APIFARMA TÊM PRIORIDADE NO RECEBIMENTO DAS DÍVIDAS...

A SITUAÇÃO É MAIS GRAVE DOQUE PARECE...!!!

ver mais comentários
pub