Saúde Dívidas dos hospitais públicos subiram 300 milhões até Novembro

Dívidas dos hospitais públicos subiram 300 milhões até Novembro

A indústria farmacêutica e os fornecedores de dispositivos médicos reclamam perto de 1.300 milhões de euros de pagamentos em atraso por parte das unidades do Serviço Nacional de Saúde, avança o Público.
Dívidas dos hospitais públicos subiram 300 milhões até Novembro
Negócios 09 de Janeiro de 2017 às 09:14

Os pagamentos em atraso dos hospitais EPE (entidades públicas empresariais) aumentaram 299 milhões de euros nos primeiros onze meses do ano passado, mostram os dados da Direcção-Geral do Orçamento (DGO) citados esta segunda-feira, 9 de Janeiro, pelo jornal Público. Entre Janeiro e Novembro, a dívida dos hospitais na esfera do Estado cresceu assim a um ritmo de cerca de 27 milhões de euros por mês.

 

A dívida global de todas as entidades do Serviço Nacional de Saúde, calculada pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) com dados até Outubro, atingia os 1.750 milhões de euros, o que representa um aumento de 15% face ao período homólogo. E quase metade (44%) desse valor dizia respeito a contas que ainda não tinham sido pagas três meses após a dívida ser considerada vencida.

 

Os valores totais em dívida reclamados pela Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica – 926,6 milhões de euros em Novembro – fazem das empresas deste sector as mais castigadas pelos atrasos, embora também a associação do sector dos dispositivos médicos tenha reclamado recentemente que, a um mês do final do ano, o Estado devia 381 milhões de euros a estes fornecedores.

Na semana passada, segundo noticiou o Jornal Económico, o Ministério das Finanças decidiu libertar 120 milhões de euros da dotação provisional inscrita no Orçamento do Estado de 2016 para a regularização de pagamentos em atraso no SNS e também para reverter as reduções remuneratórias.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 1 semana

CONTAS PÚBLICAS TODAS MARTELADAS

Anónimo Há 1 semana

Isso, nada de comentar ... XUXA!

pub
pub
pub
pub