Economia Do milagre em Portalegre ao caos no Pingo Doce

Do milagre em Portalegre ao caos no Pingo Doce

A campanha do Pingo Doce centrou quase todas as atenções duma semana que trouxe notícias potencialmente positivas para quem tem crédito à habitação. Viagem guiada pela semana que hoje termina através das notícias que a fizeram.
Nuno Carregueiro 04 de Maio de 2012 às 20:13
O início da guerra de preços que gerou o caos nos supermercados e dividiu o país


Uma acção de marketing espectacular, uma afronta aos trabalhadores, um golpe no 1º de Maio. As reacções à superpromoção do Pingo Doce no último feriado foram variadas e díspares, com a empresa a receber críticas e elogios.

O desconto de 50% nas compras acima de 100 euros provocou o caos nas 369 lojas Pingo Doce,
Anatomia de um golpe
Leia o editorial do Negócios sobre a promoção do Pingo Doce. E outro artigo de opinião: Sem Pingo de juízo.


com a forte afluência de clientes a deixar as prateleiras vazias e a obrigar os supermercados a fechar mais cedo que o habitual.

As imagens, que marcaram a aberturas dos telejornais dessa noite, chocaram o país, por mostrarem o “retrato fidedigno da nova pobreza”, como defendeu Pacheco Pereira, ou que o país está com medo, com considerou António Costa.

Para o ministro da Economia, a acção que até apanhou de surpresa o chairman da Jerónimo Martins, é comum noutros países. Mas certo é que a reacção as autoridades foi célere. A ASAE colocou-se de imediato no terreno a investigar e dois dias depois tinha já concluído que o Pingo Doce tinha violado a lei, por vender produtos com prejuízo.

O Pingo Doce fez um balanço positivo da super-promoção, que o director-geral da empresa considera ser um “grande exemplo de como uma empresa pode canalizar valor para a sociedade". Já os fornecedores mostram-se preocupados com a possibilidade de virem a pagar parte da factura, uma hipótese que o Governo quer averiguar.

Os analistas também não ficaram indiferentes à iniciativa do Pingo Doce. Não percebem o racional da medida do Pingo Doce, esperam agora uma guerra de preços no retalho alimentar, bem como uma resposta da Sonae.

O milagre de Portalegre

Mas os consumidores não foram os únicos a receberem boas notícias esta semana, numa altura em que a Euribor a seis meses já está abaixo de 1% pela primeira vez desde Junho de 2010 e o BCE manteve os juros em 1%. Elsa Geadas recebeu "o milagre da minha vida" quando um juíz do Tribunal de Portalegre decidiu que a entrega da casa ao banco era suficiente para liquidar a dívida do crédito à habitação. Uma decisão que afecta não só a cidadã de Portalegre , mas também todos os que estão na mesma situação, já que a banca admite entrega de casa para saldar dívida em casos-limite.

A Sefin pede ao Governo para legislar sobre a entrega da casa aos bancos, a banca pede estabilidade das regras e Passos Coelho quer mexer nas regras do crédito à habitação, para impedir abusos nas alterações de “spreads”.

Isto numa altura em que a banca tem já 3,5 mil milhões de euros em casas para vender. É o resultado da crise, que leva também os portugueses a cortarem no consumo de combustíveis, apesar dos preços estarem agora a cair, a reflectir a queda dos preços do petróleo, que em Nova Iorque já está abaixo dos 100 dólares.

O optimismo, o desemprego e a austeridade



Mas também houve más notícias, sobretudo para os detentores de rendimentos elevados, que deverão pagar mais IRS, sendo que as piores surpresas estão agora reservadas aos independentes.

A banca continua também o centro da agenda. Ficou a saber-se que o Estado poderá ficar com 20% do capital do BCP, banco que segunda-feira deverá anunciar um regresso aos lucros. Já o BES conclui o aumento de capital, garantindo a colocação total nos mercados, numa semana em que Horta Osório disse que o “Lloyds no caminho certo para devolver dinheiro aos contribuintes".

Esta foi também a semana em que o Governo se mostrou mais optimista que a troika no que diz respeito à evolução da economia nos próximos anos e deu mais pistas sobre a reposição dos subsídios e salários dos funcionários públicos. Se tudo correr bem, tal acontecerá em 2018. Mas se Vítor Gaspar traça um cenário menos sombrio, devido à evolução das exportações, Passos Coelho avisa que é preciso estar preparado para níveis de desemprego a que país não estava habituado e alerta que o modelo de crescimento assente em baixos salários é modelo de empobrecimento (ver vídeo em baixo).

Medina Carreira chamou de tontos a quem acha que há excesso de austeridade e Krugman lamentou que não se ter equivocado quando criticou a dose de austeridade aplicada na Europa. Isto na semana em que antecedeu as decisivas eleições para as presidenciais em França, onde Hollande tem colocado na agenda a necessidade de adoptar políticas pró-crescimento. Para o colunista do "Financial Times", o candidato socialista representa “o início de uma insurreição progressista".

Grito de 119 milhões



Espanha continua na mó de baixo. As expropriações na América Latina continuam a ser notícia, na semana os bancos do país também foram alvo de cortes de “rating”. Até Picasso perdeu o estatuto de pintor com a obra de arte mais valiosa do mundo, pois o "Grito" de Munch foi arrebatado por 119 milhões de dólares, num leilão da Sotheby's, destronando o "Nu" do pintor espanhol. NU é também o nome da promoção do IKEA, numa semana em que descontos foi a palavra de ordem. A Galp anunciou um de 5% numa oferta combinada de gás e electricidade.





A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Autoridade 05.05.2012

Os meios de comunicação manipulam a notícia...
Pingo Doce no dia 1 de Maio ganhou muitos milhões de euros.
Nunca houve algum das maiores cadeias de hipermercados que ganhasse mais.
Grande jogada de "marketing"

JOAOPIRES5 05.05.2012

JÁ QUE NÃO PODE FAZER MAIS NADA REGULAMENTA...A GESTÃO DOS PRODUTORES E DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO, A RELAÇÃO ENTRE ESTES, A CÔR, TAMANHO E PESO UNITÁRUIO DAS CENOURAS E DEMIAS FRUTAS..A SUA PROVENIÊNCIA..A SUA EMBALAGEM...A FORMA COMO DEVEM SER COMPRADAS E ONDE...HUI QUE VOLÚPIA LEGISLAR SOBRE TUDO E TODOS

JOAOPIRES5 05.05.2012

ARTº 1º AS CADEIAS DE DISTRIBUIÇÃO TEM DE CONTRATAR ADVOGADOS PPTC (PAU PARA TODA A CABELEIRA) PARA REGULAR, PRODUTO A PRODUTO, PAÍS A PAÍS, OS TERMOS GERAIS DE NEGOCIAÇÃOE CONTRATAÇÃO. DEVM PAGAR BEM AOS AGRICULTORES PORTUGUESES E NÃO REPERCUTIR SOBRE ELES AS MINHAS TAXINHAS..
ARTº 2ª OS AGRICULTORES DEVM TODOS VOTAR EM MIM

JOAOPIRES5 05.05.2012

ESTE INGÉNUA MINISTRA SÓ TEM CÓDIGOS E ARTIGOS NA CABEÇA...AGORA QUER INTERFERIR COM MAIS CÓDIGOS E ARTIGOS NA CADEIA DE DISTRIBUIÇÃO ALIMENTAR.
ELE SÓ MEXE NA PANELA QUE CHEIRA BEM!
A SRª MINISTRA QUER INTERFERIR NA CADEIA DE DISTRIBUIÇÃO ALÇIMENTAR E SÓ VAI PROVOCAR UM AGRAVAMENTO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR. ACRESCE, MINHA TONTINHA, QUE OS MERCADOS DE ABASTECIMENTO SÃO MUNDIAIS

ver mais comentários
pub