Política Dois dias depois, BE já diz que demissão da ministra é uma "inevitabilidade"

Dois dias depois, BE já diz que demissão da ministra é uma "inevitabilidade"

Na segunda-feira, Catarina Martins deixou a porta entreaberta à saída de Constança Urbano de Sousa, mas só depois do ciclo de combate a incêndios e do conselho de ministros de sábado que avaliará o relatório de Pedrógão. Agora, o BE diz que a demissão era uma "inevitabilidade". E não quer que mudem só as caras.
Dois dias depois, BE já diz que demissão da ministra é uma "inevitabilidade"
Miguel Baltazar
Paulo Zacarias Gomes 18 de outubro de 2017 às 12:25
"Ninguém quer uma demissão de uma ministra no meio de um combate ao fogo". As palavras são de Catarina Martins, coordenadora nacional do Bloco de Esquerda, ditas na passada segunda-feira. Menos de 48 horas depois – e após a saída esta manhã da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa – o BE faz outra leitura: a demissão da ministra é agora uma "inevitabilidade", pela boca do líder parlamentar do partido.

"É uma inevitabilidade face ao processo a que nós assistimos durante os últimos meses neste Verão, da mesma forma que é inevitável a aceitação pelo primeiro-ministro," afirmou esta quarta-feira, 18 de Outubro, Pedro Filipe Soares.

Há dois dias, Catarina Martins não tinha fechado a porta à saída da ministra, mas apenas quando acabasse "este ciclo de combate" aos fogos e depois do conselho de ministros extraordinário de sábado para debater o relatório da comissão independente sobre os incêndios. "O ‘timing’ da demissão não é o mais relevante deste processo", diz agora o líder parlamentar.

Em declarações aos jornalistas no Parlamento, Pedro Filipe Soares avisou no entanto que a mudança não pode ficar pelas caras e que é preciso uma "alteração profunda do modelo de Protecção Civil, insistindo na ideia de colocar prevenção e combate debaixo da mesma estrutura.

"Mudar rostos para manter a política era o pior erro que podia acontecer, não corresponderia às expectativas do país," acrescentou. E defendeu que se as propostas apresentadas há quatro anos pelo partido tivessem sido adoptadas "daria para muito ter sido feito, incluindo não termos aprovado a lei de Assunção Cristas que permitiu espalhar eucaliptos pelo país sem rei nem roque. (…) O CDS não é isento de responsabilidades nesta matéria".

Sobre a proposta de moção de censura anunciada pelo CDS, o líder parlamentar não quis revelar uma decisão, preferindo esperar para ver o documento: "Não iremos apresentar posição em relação a um documento que não existe antes de o conhecermos, não faz sentido. (…) Não temos bola de cristal nessa matéria" disse.

Já sobre a apreensão do material militar desaparecido em Tancos e encontrado esta madrugada na Chamusca, Pedro Filipe Soares pediu um relatório sobre o sucedido, à semelhança do que aconteceu para Pedrógão para que "a verdade venha ao de cima e país seja esclarecido".



A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Estes esquadalhos são mesmo acéfalos 18.10.2017

Acham que uma lei de 2013 é que foi responsável pelos incêndios? Sim eucaliptos com 0,5 m de altura?!
Deixem o esgoto do largo das ratazanas e vão ver o país real.
Verão que as novas plantações salvaram muitas aldeias, impedindo a passagem do fogo? Tirem as palas, asnos!!

Quando falta a vergonha na tromba, é isto 18.10.2017

O descaramento da Miss Piggy, ex-Min. Agricultura, não tem limites.
Depois de desgovernar o país durante 4 anos e meio e de nada fazer de "ORDENAMENTO DA FLORESTA", muito pelo contrário, tendo incentivado o plantio de eucaliptos, veio agora com uma Moção de Censura, como se nada fosse com ela.

Esquerdalhos sem vergonha... 18.10.2017

Lá vem outra lengalenga ... Aproveitamento politico... Aproveitamento politico...

Que estúpidos ! Portugal inteiro a ver a incompetência deste governo e ninguém pode dizer nada!

Gritam logo Aproveitamento politico...

Queriam mordaça toda a gente? .Esperem sentados criminosos negligente

DIREITA ESTÁ SEDENTA E Ñ OLHA A MEIOS E TUDO VALE 18.10.2017

São chocantes os dividendos que PSD e CDS estão a procurar tirar de toda esta desgraça, de todo este drama, de todas estas mortes.
Chocantes e vergonhosas.
AO MENOS, NESTE MOMENTO, DEVERIAM CONTER AS SUAS AMBIÇÕES DESMEDIDAS DE VOLTAR AO PODER, PARA CONTINUAR AS NEGOCIATAS HABITUAIS.

ver mais comentários
pub