Américas Donald Trump confirma que está a ser investigado por ter despedido Comey

Donald Trump confirma que está a ser investigado por ter despedido Comey

O Presidente norte-americano, Donald Trump, voltou a indignar-se hoje com as várias investigações sobre o caso russo, afirmando que não existir "qualquer prova" de conluio com a Rússia.
Donald Trump confirma que está a ser investigado por ter despedido Comey
Lusa 16 de junho de 2017 às 16:05

"Após sete meses de inquéritos e audições das comissões sobre o meu 'conluio com os russos', ninguém foi capaz de mostrar qualquer prova. Triste!", escreveu Trump na rede social de mensagens curtas Twitter.

 

O Presidente dos Estados Unidos também se congratulou pelo facto de poder "contornar" os "falsos 'media'" graças aos "muito poderosos 'media' sociais -- mais de 100 milhões de pessoas", numa referência à sua utilização do Twitter.

 

Trump já tinha escrito uma série de 'tweets' irados na quinta-feira, após revelações do Washington Post de que o procurador especial Robert Mueller - nomeado pelo Departamento de Justiça para dirigir a investigação à alegada interferência da Rússia nas presidenciais norte-americanas de 2016 -- está agora a investigar se o Presidente obstruiu a justiça.

No mês passado o Presidente norte-americano despediu James Comey, diretor do FBI, a polícia federal que investiga o envolvimento da Rússia na campanha para as presidenciais. "Estou a ser investigado por despedir o diretor do FBI pelo homem que me disse para despedir o diretor do FBI! Caça às bruxas", escreveu Trump no Twitter.

 

A agência norte-americana Associated Press indica não ser claro se esta mensagem do Presidente tem por base o conhecimento directo de Trump de que está sob investigação ou as notícias que saíram sobre o assunto.

Enquanto o presidente vai escrevendo mensagens no Twitter, o vice-presidente, Mike Pence, contratou um advogado pessoal para responder a quaisquer pedidos dos investigadores no caso das ligações à Rússia.


O gabinete de Pence confirmou que Richard Cullen, um ex-procurador geral da Virgínia, vai ajudar "a responder ao inquérito" de Mueller.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub