Américas Donald Trump perde mais um conselheiro por causa de posições sobre violência racista

Donald Trump perde mais um conselheiro por causa de posições sobre violência racista

O presidente do principal sindicato norte-americano, AFL-CIO, anunciou na terça-feira a saída do grupo de conselheiros de Donald Trump, em protesto pelas posições do Presidente sobre violência racista.
Donald Trump perde mais um conselheiro por causa de posições sobre violência racista
Reuters
Lusa 16 de agosto de 2017 às 07:17
"Não podemos sentar-nos num conselho com um Presidente que tolera o sectarismo e o terrorismo nacional", disse Richard Trumka, pouco depois de uma conferência de imprensa de Donald Trump na terça-feira.

Trumka fazia parte dos conselheiros do Presidente para as questões industriais.

Na segunda-feira, Kenneth Frazier, diretor-executivo da farmacêutica Merck, apresentou a demissão das funções de conselheiro económico de Donald Trump, como forma de protesto pelas declarações do Presidente americano a propósito de uma manifestação de extrema-direita que degenerou em confrontos.

Idêntica atitude tomaram os presidentes das empresas Under Armour e Intel, também em protesto pela relutância de Donald Trump em condenar explicitamente os grupos de extrema direita depois da violência racista.

As demissões surgiram na sequência de uma manifestação racista no sábado passado na cidade de Charlottesville, no Estado norte-americano da Virgínia (leste), que acabou em violentos confrontos entre militantes de extrema-direita e contra manifestantes.

Donald Trump condenou a violência, mas de forma geral e sem se referir aos supremacistas brancos que tinham convocado a manifestação.

Depois de criticas generalizadas, Donald Trump acabaria por condenar a violência racista, incluindo "os supremacistas brancos, o KKK, os neonazis e todos os grupos extremistas".

Porém, na terça-feira, voltou a defender a sua controversa posição inicial e disse que na violência de sábado houve erros de ambas as partes



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 16.08.2017

Digam o que quiserem façam o que entenderem, o povo dos EUA irá sempre continuar a ser a nação mais estúpida e ignorante de toda a humanidade.

Saber mais e Alertas
pub