Economia Donald Tusk interrogado na Polónia sobre desastre aéreo de 2010

Donald Tusk interrogado na Polónia sobre desastre aéreo de 2010

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, foi interrogado esta quinta-feira, durante oito horas, na qualidade de testemunha na investigação do desastre aéreo de 2010 que vitimou o então Presidente polaco Lech Kaczynski. 
Donald Tusk interrogado na Polónia sobre desastre aéreo de 2010
Lusa 03 de agosto de 2017 às 20:09

O caso está a ser encarado como uma tentativa para desacreditar o líder da UE e ex-primeiro-ministro polaco quando ocorreu o acidente aéreo, e instigada pelo seu rival de longa data.

 

Antes do interrogatório, Jaroslaw Kaczynski, o líder do Lei e Justiça (PiS) – o partido nacionalista-conservador no poder na Polónia – e irmão gémeo do antigo presidente, disse que Tusk "deveria estar com medo".

 

No entanto, Tusk abandonou a sala de audiências onde depôs como testemunha perante os procuradores para referir que não se deixa intimidar pelo processo, que o seu advogado considerou politicamente motivado.

 

"Não tenho medo de Jaroslaw Kaczynski, nada do que pode fazer contra mim me assusta", afirmou Tusk, que pediu que a tragédia de Smolensk "não seja utilizada politicamente" e manifestou inquietação pela possibilidade de a acção da justiça poder ser usada "como uma ferramenta contra a oposição política" polaca.

 

Tusk, que não excluiu "nenhum cenário", incluindo passar de testemunha a indiciado na investigação em curso, já tinha sido convocado pela procuradoria polaca em 5 de Julho, mas por motivos de agenda não conseguiu comparecer nessa data.

 

A comparência tem por objectivo determinar se existiu negligência por parte do Executivo polaco na gestão pelas autoridades russas das autópsias dos 96 mortos do desastre aéreo em Smolensk.

 

Tusk foi primeiro-ministro da Polónia entre 2007 e 2014, durante os governos do partido liberal de centro-direita Plataforma Cidadã, antes se instalar em Bruxelas para ocupar a presidência do Conselho Europeu.

 

O PiS, que governa com maioria absoluta desde 2015 e com Jaroslaw Kaczynski a promover "na sombra" a maioria das decisões, assegurou em numerosas ocasiões que durante o seu período como primeiro-ministro Tusk não fez o possível para investigar as verdadeiras causas do acidente do avião presidencial polaco.

 

O Governo polaco considera que as autópsias realizadas por peritos russos não foram corretas, implicando a exumação dos corpos dos falecidos para novas análises. As exumações revelaram que algumas partes os corpos estavam misturadas e que foram enterrados nas campas erradas.

 

O avião presidencial onde viajava o então chefe de Estado polaco e 95 representantes da elite política, militar e eclesiástica da Polónia despenhou-se quando tentava aterrar no aeroporto russo de Smolensk.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 04.08.2017

ó polaco queres que eu te diga como é que foi, caiu, mais nada, como os outros vão ao fundo

pub