Política Monetária Draghi foi longe demais em Sintra ou os mercados não perceberam a mensagem?

Draghi foi longe demais em Sintra ou os mercados não perceberam a mensagem?

Vários responsáveis do BCE foram hoje obrigados a corrigir a interpretação que os mercados fizeram das palavras proferidas por Mario Draghi em Sintra.
Draghi foi longe demais em Sintra ou os mercados não perceberam a mensagem?
As palavras de Draghi que geraram reacção nos mercados foram proferidas em Sintra.
Bruno Simão/Negócios
Nuno Carregueiro 28 de junho de 2017 às 16:58

A comunicação dos responsáveis dos bancos centrais com os mercados é feita através de pequenos detalhes e de forma bastante cautelosa. Ainda mais dos líderes das autoridades monetárias mais importantes do mundo, como é o caso do Banco Central Europeu e do seu presidente.

 

A reacção às palavras de Mario Draghi ganha ainda mais importância numa altura em que os investidores mostram cada vez maior impaciência com as perguntas sem resposta que têm actualmente: Como e quando o BCE vai começar a reduzir os estímulos monetários?

 

O BCE tem até agora sido cauteloso na mensagem que passa aos mercados sobre esta matéria, reiterando que a política de estímulos (taxas de juro em mínimos e um programa de 60 mil milhões de euros de compra de activos) é para manter, até que sejam mais duradouros os sinais de aumento da inflação.

 

Na intervenção que fez em Sintra na terça-feira, no Fórum BCE, Mario Draghi até repetiu este discurso, mas acrescentou uma nuance, que, para muitos investidores, fez toda a diferença.

 

"As forças deflacionistas foram substituídas por forças reflacionistas. Embora ainda existam factores que estão a pesar na trajectória da inflação, estes são factores principalmente temporários que o banco central pode ignorar no médio prazo", assegurou.

 

Foi esta a frase que fez soar o alerta nos investidores, que interpretaram esta mensagem como um sinal de que o presidente do BCE estava a abrir a porta a uma retirada dos estímulos económicos.

 

Embora com valorizações pouco acentuadas, as bolsas europeias reagiram em queda logo na terça-feira e o euro valorizou. O movimento prosseguiu hoje, levando a moeda única para máximos de um ano.

 

BCE corrige interpretação

 

Mas era esta a mensagem que Draghi queria passar para os mercados? Provavelmente não. Até porque vários responsáveis do banco central vieram hoje a terreiro corrigir a interpretação que os mercados fizeram das palavras do BCE.

 

Esta correcção de expectativas está a ser noticiada pela Bloomberg e pelo Financial Times, que citam vários responsáveis não identificados do BCE. Em entrevista à CNBC, o vice-presidente do banco central, Vítor Constâncio, afirmou mesmo que a mensagem deixada por Draghi está em linha com o discurso recente do BCE e que era difícil entender a reacção dos mercados.

 

Fontes contactadas pela Bloomberg adiantam que o objectivo de Draghi passava por transmitir uma mensagem de optimismo sobre a evolução da economia europeia e também sobre a necessidade de manter os estímulos.

 

Mas não foi isso que os investidores retiveram. "Não tenho a certeza se foi uma interpretação errada dos mercados. Houve uma alteração muito clara no discurso", comentou à Bloomberg Jeffrey Rosenberg, da Blackrock.  

 

"Os comentários de ontem de Draghi tinham como objectivo ter um efeito. Agora o BCE parece estar a gerir o efeito desse efeito", comentou ao FT, responsável pela divisão de mercados cambiais do Bank of Montreal.

 

Certo é que as bolsas aliviaram das perdas e o euro corrigiu de máximos, mas os índices accionistas permanecem no vermelho e a moeda única permanece em alta face ao dólar. No mercado obrigacionista o efeito das palavras de Draghi também se fez sentir, com os juros da dívida soberana a reagirem ontem em alta, estando hoje a corrigir. A "yield" das obrigações do Tesouro ontem subiram 13,9 pontos base, estando esta quarta-feira a recuar 10 pontos base.

 

"Não acho que o discurso de Draghi tenha sido uma grande surpresa, mas o mercado reagiu", afirmou Joachim Fels, da Pimco, que esteve em Sintra no Fórum do BCE. "É um sinal de alerta para as consequências" da retirada dos estímulos alertou.


Como conclui a Bloomberg, este episódio é também um bom exemplo da actual hipersensibilidade dos investidores, que procuram ler nas entrelinhas potenciais mensagens escondidas do BCE.

 

O actual programa de compra de activos termina no final do ano e o BCE tem defendido que só em Setembro a autoridade monetária irá analisar como e quando o programa de estímulos será alterado. Na última reunião, de 8 de Junho, o tema não esteve em cima da mesa do Conselho do BCE.  

 

Muitos investidores acrescentam que o adiamento da decisão poderá trazer volatilidade adicional aos mercados financeiros. O comportamento dos últimos dias mostra que as críticas podem ter algum fundamento e que Draghi terá que ter (ainda) mais cuidado nos seus próximos discursos.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso 28.06.2017

Draghi é um irresponsável,que está destruir valor para safar a sua Itália.Espero que os alemães o metam na ordem

comentários mais recentes
Anónimo 29.06.2017

Os "investidores" e os "mercados" privilegiam a iniciativa privada blá blá blá, mas sem a mama do BCE até tremem.
São tão mamões como um desempregado que vive do subsídio e sem procurar emprego.

Anónimo 28.06.2017

Perceberam, perceberam: a pressão alemã para acabar com as fantasias do BCE está muito alta.

zebanzedoperere 28.06.2017

Draghy, Constâncio são membros do Grupo Bilderberg Globalista..... Nunca se sabe que andaram a tramar nas costas povinho....

surpreso 28.06.2017

Draghi é um irresponsável,que está destruir valor para safar a sua Itália.Espero que os alemães o metam na ordem

ver mais comentários
pub