Zona Euro Draghi pede mais empregos para os jovens: "Eles não querem viver de subsídios"

Draghi pede mais empregos para os jovens: "Eles não querem viver de subsídios"

O presidente do BCE diz que a crise caiu "desproporcionalmente" sobre os jovens, sendo necessário resolver o problema do desemprego elevado para manter os valores da democracia.
Draghi pede mais empregos para os jovens: "Eles não querem viver de subsídios"
Peti Kollanyi/Bloomberg
Rita Faria 22 de setembro de 2017 às 11:09

O presidente do BCE, Mario Draghi, apelou esta sexta-feira, 22 de Setembro, à resolução do problema do desemprego jovem na Europa, através da criação de um mercado de trabalho mais aberto e vibrante. Porque os jovens precisam de oportunidades de emprego e mobilidade, sublinhou, e "não querem viver de subsídios".

Num discurso realizado em Dublin, na Irlanda, Draghi sublinhou que se trata de uma missão fundamental para manter vivos os valores democráticos no Velho Continente.  

"Em vários países, o peso da crise caiu desproporcionalmente sobre os jovens, deixando um legado de esperanças fracassadas, raiva e desconfiança nos valores da nossa sociedade e na identidade da nossa democracia", afirmou o presidente do BCE, citado pela Bloomberg.

Mario Draghi reconheceu, porém, que foram feitos alguns progressos nos últimos anos, em parte devido aos estímulos do banco central que impulsionaram 17 trimestres de crescimento económico. A Zona Euro criou 6 milhões de postos de trabalho nesse período, e o desemprego jovem desceu de 24%, em 2013, para 19% no ano passado. Ainda assim, este valor permanece quatro pontos percentuais acima do nível pré-crise.

Num discurso em que não deu qualquer pista sobre o rumo da política monetária na Zona Euro, o líder do banco central pediu aos políticos para fortalecerem o mercado único, de forma a criar mais oportunidades de trabalho e mobilidade para os jovens, e sublinhou que os empregos são mais importantes do que as políticas redistributivas.

"Alguns dizem que uma distribuição mais equitativa do rendimento e riqueza é a resposta", afirmou. "Mas isso não pode ser suficiente para os jovens que são o futuro das nossas democracias. Eles não querem viver de subsídios".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 9 horas

Ó rapaz! Podes começar por dar o exemplo! Dá o lugar a um mais novo....

Já dizia a minha avo: "pimenta no C+Ú dos outros é refresco"....

General Ciresp Há 11 horas

Ele quereria dizer mais emprego para os jovens,ou mais inflacao?Parece-me ser este o vicio que o atormenta,ou o peso do falhanco esta a faze-lo arrear?

pertinaz Há 12 horas

POR 550€ BEM PODEM CONTINUAR A VIVER DE SUBSÍDIOS...!!!

PHAROL sobe por efeito OI ...só em Portugal Há 12 horas

Dizem que podem vir os chineses, com atitude abutre, de só quererem o melhor da Oi (o móvel), e no Brasil a OI baixou ontem na OIBR3, e estagnou na OIBR4. Ou seja, no Brasil não ligaram, mas em Portugal a Pharol já subiu cerca de 10% em 2 dias. Assim, está a PHAROL sozinha, pronta para ...descer.

pub