Empresas DST constrói nova fábrica “in vitro” da Biosurfit na Azambuja

DST constrói nova fábrica “in vitro” da Biosurfit na Azambuja

A bracarense DST ganhou a adjudicação da construção das novas instalações da Biosurfit, empresa que inventou, produz e comercializa o “spinit”, um sistema inovador de análise ao sangue que permite obter resultados em apenas cinco minutos.
DST constrói nova fábrica “in vitro” da Biosurfit na Azambuja
Empresa liderada por João Garcia da Fonseca está a construir novas instalações industriais na Azambuja.
Bruno Simão
Rui Neves 13 de junho de 2017 às 12:38

No quadro de um investimento global da ordem dos 20 milhões de euros, a empresa lisboeta Biosurfit, que produz e comercializa testes de diagnóstico "in vitro", está a arrancar com a construção de uma nova fábrica de produção automatizada e de grande capacidade na Azambuja.

 

Com uma área de implantação superior a 50 mil metros quadrados e uma área de construção de cerca de 4.450 metros quadrados, as novas instalações de Biosurfit permitirão aumentar a capacidade de produção do "spinit", um sistema inovador de análise ao sangue por si desenvolvido, através do qual é possível obter resultados em apenas seis minutos, sem necessidade de recorrer a laboratórios.

 

A DST foi a empresa seleccionada para construir as novas instalações da Biosurfit, um edifício industrial inteiramente dedicado à biotecnologia, que representa para a construtora bracarense um volume de negócios superior a 2,5 milhões de euros, revelou a companhia ao Negócios.

 

A empreitada, que prevê, para além da estrutura em betão, cerca de 150 toneladas de estrutura metálica, tem um prazo de execução de apenas seis meses.

 

"É mais um desafio que vamos superar no que concerne à nossa capacidade de inovação e de busca de soluções tecnologicamente avançadas e que vão ao encontro dos anseios do nosso cliente", sublinha José Teixeira, presidente do grupo DST.

 

"Spinit" já ganhou várias distinções nacionais e internacionais

 

Fundada em 2006, A biosurfit, que já recebeu investimento de fundos de capital de risco como a Caixa Capital e a Portugal Ventures e obteve apoio de diferentes programas do Portugal 2020 e um empréstimo do Banco Europeu de Investimentos, no valor de 12 milhões de euros, já ganhou várias distinções nacionais e internacionais com o "spinit".

 

Ainda há menos de um mês, no âmbito do prémio Produto Inovação COTEC-ANI 2017, o "spinit" foi o vencedor de uma nova subcategoria do prémio designada "Born from Knowledge".

 

Em Abril passado, a Biosurfit garantia que já contava com uma presença comercial em mais de duas dezenas de países, depois de, dois meses antes, ter alcançado um marco importante ao entregar o 500.º equipamento  "spinit" a um cliente europeu.

 

O objectivo da empresa liderada por João Garcia da Fonseca aponta para colocação de mais de mil equipamentos até ao final deste ano.

 

De acordo com a Biosurfit, a solução "spinit" é a primeira e única a permitir a realização dos três maiores tipos de análises ao sangue (hematologia, imunoensaios e química clínica) utilizando sempre o mesmo equipamento de leitura, sendo que "a combinação de diferentes métodos de detecção juntamente com a microfluídica e o formato CD/DVD dos descartáveis, facilita o desenvolvimento de novos testes".

 

Um painel lipídico, um painel de inflamação e um teste d-dímero, são novos produtos que a empresa prevê lançar nos próximos meses.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 13.06.2017

A verdadeira Theranos, a que vai ter sucesso neste sector revolucionando-o, afinal é portuguesa? Esperemos que sim...

comentários mais recentes
Anónimo 13.06.2017

Se e' privada, tenha cuidado! se der lucro em breve sera' nacionalizada para dar taxos a amigos geringoncos, e enormes prejuizos a seguir!!

eduardo.santos 13.06.2017

INOVAÇÃO.....................................Daqui a pouco esta por ai o Costa a dizer que foi o PS que inventou a maquina.

Anónimo 13.06.2017

A verdadeira Theranos, a que vai ter sucesso neste sector revolucionando-o, afinal é portuguesa? Esperemos que sim...

pub
pub
pub
pub