União Europeia Durão Barroso: “O Brexit foi um erro e vamos pagar um preço alto por ele”

Durão Barroso: “O Brexit foi um erro e vamos pagar um preço alto por ele”

O antigo presidente da Comissão Europeia acredita que é necessário avançar com um acordo e lembra que quando se “sai do clube” não é possível manter “os mesmos benefícios”. Durão Barroso crê ainda na estabilidade do centro financeiro de Londres.
Durão Barroso: “O Brexit foi um erro e vamos pagar um preço alto por ele”
Miguel Baltazar/Negócios
Wilson Ledo 15 de maio de 2017 às 12:18

Durão Barroso defendeu esta segunda-feira, 15 de Maio, que a decisão do Reino Unido em abandonar a União Europeia "foi um erro".

 

"Acho que foi um erro. Para o Reino Unido e para a Europa. Foi um erro e vamos pagar um preço alto por ele", afirmou durante o congresso Business of Luxury Summit, organizado em Lisboa pelo Financial Times.

 

Para o antigo presidente da Comissão Europeia, o voto no "Brexit" revela também uma postura de nacionalismo, um fenómeno que está longe de ser um exclusivo europeu ou americano mas "mundial".

 

Questionado sobre o papel da City, o centro financeiro de Londres, e a possibilidade de algumas instituições deslocalizarem o seu negócio para outras cidades europeias, Durão Barroso descarta o cenário.

 

O também presidente do Goldman Sachs admite, contudo, que "alguns negócios vão deslocalizar unidades de negócio para outras cidades europeias". Mas o papel de Londres mantém-se, porque está assente numa "rede de tradição".

 

Durão Barroso diz também não notar um interesse de Frankfurt ou Berlim para captar esses bancos em eventual mudança devido ao Brexit. "Se se trouxer esses bancos, também se traz riscos", alertou.

 

Para o político, nesta fase, "o que é razoável é chegar a um acordo" entre Bruxelas e o Reino Unido. Contudo, terão de ser feitas cedências de ambos os lados. "Se és parte do clube e saíres, não podes manter os mesmos benefícios", avisou.

 

Durão Barroso não deixou de comentar a economia europeia, considerando que esta está melhor, embora persistam "fragilidades e riscos". "O problema da Europa é que os países estão a atrasar reformas para serem mais competitivos", acrescentou.

 

O antigo presidente da Comissão Europeia mostrou-se ainda satisfeito com a eleição de Emmanuel Macron em França e acredita que o novo presidente será capaz de levar avante grande parte do seu programa eleitoral. "Há uma frescura", resumiu.

 

O mercado de luxo

 

Segundo um estudo da consultora Deloitte, as 100 maiores empresas de luxo do mundo registaram vendas de 212 mil milhões de dólares no último ano fiscal (terminado a 30 de Junho de 2016), uma subida de 6,8%. A contribuir para o resultado, em algumas geografias, está a desvalorização das divisas dos países onde estão sedeadas em relação ao dólar.

 

A Itália é o país com maior número de empresas no "top" 100, com 26, mas é a França que cabe a maior percentagem das vendas. As malas e acessórios são o sector com maior crescimento.

 

Quase metade das vendas dos produtos de luxo são feitas por consumidores que estão em viagem, seja no estrangeiro ou no aeroporto. São compradores de mercados emergentes como China, Rússia e Emirados Árabes Unidos que estão a impulsionar este mercado mundial.


A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado IS Há 1 semana

Para José Manuel Durão Barroso e para inúmeros analistas políticos a decisão britânica foi um equívoco.

comentários mais recentes
A lata Há 4 horas

Como dizer banalidades com um ar muito serio....flop

AAAA Há 5 horas

ERRO FOI O BARROSO SER PRESIDENTE DA COMISSÃO. O PIOR DE SEMPRE. ERRO É PARA A UNIÃO EUROPEIA, NÃO PARA O REINO UNIDO. DENTRO DE POUCO TEMPO ESTARÁ MUITO MELHOR. JÁ A UE ACABOU. É UM MORTO VIVO. SE EM 40 ANOS NADA FOI FEITO, NÃO É AGORA QUE VÃO CONSEGUIR RESOLVER.

Afper Há 5 horas

A União Europeia tem condições para continuar, mas urge uma remodelação estrutural, distribucional e funcional para se tornar mais convincente e consistente.
A Europa tenderá naturalmente a ter três vozes hegemónicas...
Vai haver inevitavelmente algum tempo para a Comissão Europeia do que resta da União Europeia se aperceba que 28 menos 1 é aritmeticamente 27, mas politicamente é muito diferente do que apenas menos 1 em 28.
O Reino Unido é também da Europa e é uma união de vários estados-membros tal como é uma das maiores potências económicas e militares ao nível mundial com muitas ramificações de diferente natureza por todo o planeta com peculiaridades diferentes da Europa continental.
A Rússia também é da Europa e é uma união de múltiplas comunidades e etnias tal como é uma super-potência militar e civilizacional com antigas e nobres tradições.
A Europa real e hegemónica passará naturalmente a falar internacionalmente a três vozes(a do Reino Unido,a da UE e a da Rússia).

IS Há 1 semana

https://www.bloomberg.com/news/articles/2017-04-23/london-house-prices-post-biggest-annual-decline-in-eight-years

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub