Economia Duzentas habitações totalmente destruídas pelo incêndio em Pedrógão Grande

Duzentas habitações totalmente destruídas pelo incêndio em Pedrógão Grande

O número de habitações totalmente destruídas pelo incêndio que começou no dia 17 em Pedrógão Grande já ultrapassa as 200, disse hoje ao final do dia o presidente do município, Valdemar Alves, que considerou a situação catastrófica.
Duzentas habitações totalmente destruídas pelo incêndio em Pedrógão Grande
Vítor Mota/Correio da Manhã
Lusa 25 de junho de 2017 às 20:39

"É um desastre e o levantamento continua a ser feito pelos técnicos. Queremos ver se encerramos o levantamento na quarta-feira. As habitações destruídas são muitas. Enfim, não poderei dar um número exacto, mas são muitas, para cima de 200 habitações", afirmou.

 

O autarca disse que visitou hoje os lugares de Nodeirinho e Figueira -- dos mais atingidos pelo fogo que provocou a morte a 64 pessoas -, e explicou que a situação ao nível das habitações nestas duas localidades é "muito preocupante".

 

"É uma coisa aflitiva. O número de habitações completamente ardidas e com destruição mesmo total é demasiado elevado. É uma catástrofe. Parece que passaram ali uns bombardeiros e deixaram cair bombas", frisou.

 

Já em relação às garantias para a recuperação dos imóveis, Valdemar Alves adiantou que tem as garantias do Governo.

 

"Os fundos vão ser também dirigidos para a recuperação das habitações. Tenho a promessa e ela vai ser cumprida", concluiu.

 

O incêndio que deflagrou no dia 17 em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos, e só foi dado como extinto no sábado.

 

O fogo atingiu também os concelhos de Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, no distrito de Leiria, e chegou aos distritos de Castelo Branco, através da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 27.06.2017

Depois dos Boatos Criminosos de Passos Coelho,PSD, aquele representante da Santa Casa Misericórdia, penso q já nada interessa. Não concordo que o dinheiro vá para as Misericórdias, Por q percebi naquela terra,com aquele representante da Santa Casa se não for PSD vê banda passar, Não Confio, Veremos.

Anónimo 26.06.2017

Se as casas queimadas fossem na Cova da Moura, já a Geringonça tinha disponibilizado milhões para a aquisição de casa ou melhor, já estavam a fazer os telhados para dar as casas antes das eleições.

Rui Sousa 25.06.2017

A Policia Judiciária enganou os Portugueses ao informar que a origem do incêndio foi um relâmpago das trovoadas secas. Cerca da 14:00 horas teve inicio o grande incêndio e as trovoadas secas só tiveram inicio ao fim da tarde. A PJ demonstrou preguiça em ir ao local investigar. Vergonha para PJ.

José Albuquerque 25.06.2017

Os Soldados da GNR cortaram o trânsito no IC8 e desviaram automobilistas para a EN 236 onde morreram muitos desses automobilistas com o incêndio florestal. É inacreditável a incompetência da GNR que levou dezenas de pessoas para a morte.

ver mais comentários
pub