Américas Economia brasileira volta a abrandar no terceiro trimestre

Economia brasileira volta a abrandar no terceiro trimestre

Depois de no segundo trimestre ter confirmado a saída da recessão, a economia brasileira voltou a abrandar entre Julho e Setembro. A evolução de 2016 e dos primeiros dois trimestres foi entretanto revista em alta.
Economia brasileira volta a abrandar no terceiro trimestre
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 01 de dezembro de 2017 às 13:06
A economia do Brasil cresceu no terceiro trimestre deste ano, significando a terceira subida trimestral consecutiva em cadeia para o PIB daquele país. Contudo, apesar do crescimento, a economia desacelerou pelo segundo trimestre seguido.

Segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados esta sexta-feira, a subida entre o terceiro e o segundo trimestre foi de 0,1%, respectivamente abaixo das variações trimestrais anteriores, de 0,7% e 1,2% (valores entretanto revistos em alta).



Entre Julho e Setembro foram gerados na economia brasileira 1,641 biliões de reais (42,2 biliões de euros), com a indústria a apresentar a maior subida trimestral (de 0,8%), seguido pelos 0,6% do sector dos serviços - o mais importante. A agropecuária recuou 3%.

O investimento teve, segundo O Globo, o primeiro crescimento em quatro anos, desde o terceiro trimestre de 2013, com uma subida de 1,6% dos gastos com máquinas, equipamentos e construção. A acompanhar esteve também a subida de 1,2% do consumo das famílias, enquanto os gastos públicos caíram pelo quinto trimestre, recuando 0,2%.

Nos nove primeiros meses do ano a economia cresceu 0,6%, enquanto na variação homóloga o produto interno bruto avançou 1,4%.

Nos dados desta sexta-feira o IBGE actualizou ainda os números relativos a 2016, onde o crescimento negativo foi revisto em alta ligeira, passando de -3,6% para -3,5%, com o desempenho dos sectores da agropecuária e serviços a sair melhor que o inicialmente estimado.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ademir domingues taira Há 1 semana

eu gostaria que o editor confirmasse ou nao se estou certo quanto ao comentario que fiz anteriormente

ademir domingues taira Há 1 semana

na reportagem esta errado o valor em euros nao e 42,2 bilhoes de euros mas sim 422 bilhoes de euros.