Américas Economia dos EUA desilude na recta final de 2016

Economia dos EUA desilude na recta final de 2016

O avanço da maior economia do mundo ficou abaixo das expectativas dos analistas, levando o total do ano - ainda não fechado - para um crescimento de 1,6%. A pesar no resultado esteve o contributo negativo das exportações, o mais significativo em seis anos.
Economia dos EUA desilude na recta final de 2016
Bloomberg / Reuters / Getty Images
Paulo Zacarias Gomes 27 de janeiro de 2017 às 13:33

A maior economia do mundo cresceu 1,9% no último trimestre do ano passado. O valor – que consta da primeira leitura comunicada esta sexta-feira, 27 de Janeiro, pelo Departamento do Comércio norte-americano -, ficou abaixo das estimativas dos analistas sondados pela Reuters e pela Bloomberg, que apontavam ambas para um aumento de 2,2%.

A pesar no resultado esteve um contributo menor das exportações, parcialmente compensado pela melhoria nos gastos de consumo (que representam 70% da economia e aumentaram 2,5%) e pela melhoria do investimento privado (cresceu 3,1%).

As exportações tiveram um impacto negativo de 1,7 pontos percentuais na variação do PIB, naquele que foi o pior contributo desta componente desde o segundo trimestre de 2010, segundo a Bloomberg. 

Os números agora conhecidos - ainda não fechados - colocam o crescimento de todo o ano em 1,6%, o mais baixo desde 2011. O abrandamento do crescimento na recta final seguiu-se a um incremento de 3,5% no trimestre anterior. 

Estes dados são alguns dos últimos indicadores sobre o desempenho da economia norte-americana relativos ao período da Administração Obama, que em 20 de Janeiro passou o testemunho ao novo presidente Donald Trump.

O novo chefe de Estado propôs como grandes linhas económicas o investimento público em infra-estruturas e a redução de impostos e de regulamentação, medidas que podem, durante o ano de 2017, dar um impulso acrescido à economia. 

Os gastos governamentais cresceram 1,2% no último trimestre, enquanto a despesa das agências federais voltou a cair, em 1,2%.

"A economia está alicerçada em indicadores com desempenho muito forte. (...) O crescimento deverá acelerar este ano," afirmou Ryan Sweet, economista da Moody's, à Bloomberg.

(Notícia actualizada às 13:44 com mais informação)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 27.01.2017

ALERTA: COFINA A AÇÃO DO MERCADO IBERICO COM MAIS POTENCIAL, SEGUNDO O BPI
BPI atribui target de 0,46 € à COFINA e diz ser a ação ibérica com menor PER
ler em: http://www.jornaldenegocios.pt/mercados/bolsa/research/detalhe/bpi-corta-avaliacao-a-oito-cotadas-nacionais-e-sobe-cinco-precos-alvo?

Anónimo 27.01.2017

ora-te toma-te lá

pub
pub
pub
pub