Europa Economia grega deverá crescer 2,5% em 2018

Economia grega deverá crescer 2,5% em 2018

A Grécia "entra num novo período de estabilidade económica", afirmou o Ministério das Finanças.
Economia grega deverá crescer 2,5% em 2018
REUTERS
Lusa 21 de novembro de 2017 às 18:41

A economia grega deve registar um crescimento de 2,5% em 2018, de acordo com a proposta de orçamento entregue hoje no parlamento.

 

O país "entra num novo período de estabilidade económica", afirmou o Ministério das Finanças.

 

A Grécia deve terminar este ano com um crescimento de 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB), o primeiro crescimento real nos últimos nove anos. Durante a crise, a Grécia perdeu um quarto do seu PIB.

 

No mês passado, o orçamento apontava para um crescimento de 2,4% no próximo ano e de 1,8% em 2017.

 

A previsão de excedente primário para 2018 é de 3,82% do PIB, acima dos 3,5% requeridos pelos credores, depois de 1,75% este ano.

 

A Grécia deve ultrapassar o objectivo para 2017, atingindo um excedente orçamental primário de 2,44%, de acordo com a proposta de lei, que será votada no dia 22 de Dezembro.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 2 semanas

Até estes....

Mas tudo graças ao mérito dos xuxas, geringonços, Toine Bosta e Mario Centeneiro ....

General Ciresp Há 2 semanas

viram-se gregos para chegar a fasquia dos 2,5 mas conseguiram.Nao me pasma nada q na Grecia tal como ca, virem dizer q e a economia q mais cresce dentro da EU.Seria bom q depois de festa euforica houvesse um momento de reflexao profunda.Acho q os portugueses gostavam de saber se a divida e p pagar.