África Economist: Financiamento do Banco Mundial mostra que Moçambique consegue ir aos mercados

Economist: Financiamento do Banco Mundial mostra que Moçambique consegue ir aos mercados

A Economist Intelligence Unit (EIU) considera que o financiamento de 189 milhões de dólares da International Finance Corporation (IFC), membro do Banco Mundial, à eléctrica moçambicana mostra que o país consegue receber empréstimos concessionais, apesar das dificuldades.
Economist: Financiamento do Banco Mundial mostra que Moçambique consegue ir aos mercados
Mike Hutchings/Reuters
Lusa 28 de janeiro de 2018 às 18:34

"O acordo é importante porque confirma a nossa opinião de que projectos liderados pelo Estado em Moçambique ainda conseguem ter acesso a algum financiamento concessional, apesar de o Governo estar em incumprimento financeiro nos títulos de dívida soberana e de o Fundo Monetário Internacional considerar que o país está com dificuldades na dívida ['debt distress']", escrevem os peritos da unidade de análise da revista britânica The Economist.

 

No comentário ao acordo, enviado aos investidores e a que a Lusa teve acesso, os analistas consideram que o financiamento de quase 190 milhões de dólares (cerca de 152 milhões de euros) dados pelo braço financeiro do Banco Mundial à Central Térmica de Ressano Garcia, detida pela Electricidade de Moçambique (51%) e pela sul-africana Sasol (49%), é um bom prenúncio para outros investimentos.

 

"Isto é positivo para o desenvolvimento previsto de outros projectos de infra-estrutura, apesar de não alterar a nossa previsão, segundo a qual o Governo propriamente dito vai ter dificuldades em mobilizar financiamentos internacionais", dizem os analistas.

 

Na análise, a EIU salienta ainda que o acordo mostra que as finanças da EDM "ainda são suficientemente sólidas para garantir aos investidores a sua capacidade de pagar as dívidas" e, por último, que é um impulso financeiro para a sul-africana Sasol.

 

A central térmica representou um investimento de 250 milhões de dólares (204 milhões de euros) e é abastecida com gás natural explorado pela Sasol em Pande e Temane, na província de Inhambane.

 

O gás é transportado por um gasoduto de 865 quilómetros até junto da fronteira da África do Sul, onde alimenta 18 turbinas a gás com uma capacidade de produção de 175 megawatts de electricidade destinada sobretudo à zona sul de Moçambique.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub