Américas Economista Paul Krugman antecipa dificuldades para Donald Trump em "apagar" NAFTA

Economista Paul Krugman antecipa dificuldades para Donald Trump em "apagar" NAFTA

O Nobel da Economia Paul Krugman afirmou, na sexta-feira, que o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, vai ter dificuldades em "apagar" o Tratado de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA), com Canadá e México.
Economista Paul Krugman antecipa dificuldades para Donald Trump em "apagar" NAFTA
Bruno Simão
Lusa 02 de setembro de 2017 às 10:32
"Não é possível que o Presidente dos Estados Unidos apague o NAFTA mesmo que queira", sustentou Paul Krugman, prémio Nobel da Economia de 2008, no discurso principal do "Fórum de Discussão com Especialistas 2017: NAFTA e o Crescimento Económico do México", que decorreu na cidade de Monterrey.

Diante de audiência composta por estudantes, académicos, membros do Governo e representantes da indústria automóvel, Paul Krugman defendeu que, independentemente "do poder" que o Presidente dos Estados Unidos tem, os acordos comerciais dependem do Congresso e no caso do NAFTA está em jogo uma grande quantidade de empregos e exportações de empresas norte-americanas.

O economista qualificou ainda de simplista a visão de Trump relativamente ao NAFTA de que o défice comercial é mau e as exportações são boas, argumentos que o Presidente dos Estados Unidos utilizou para sustentar que se trata "do pior tratado na história dos Estados Unidos".

Krugman afirmou que os assessores de Trump estão a aperceber-se de que não vai ser tão fácil como se pensava alterar o NAFTA, atendendo à quantidade de empresas que têm destacado que os setores aos quais pertencem e os empregos dependem da relação comercial com o vizinho México.

O académico da Universidade de Princeton (Nova Jersey, EUA) afirmou que, num determinado momento, quando havia otimismo relativamente ao crescimento da economia mexicana, o NAFTA foi "vendido" como um instrumento para os Estados Unidos aumentarem as suas exportações e postos de trabalho.

Contudo, realçou, "nada disso aconteceu": "Isso caiu tudo por terra com a chegada da crise de finais de 1994 e 1995 que provocou o colapso dos mercados emergentes".

Na perspetiva de Krugman, o obstáculo da atual renegociação do NAFTA prende-se com todos os problemas que afetam a relação bilateral entre os Estados Unidos e o México, entre os quais a questão em torno da imigração ilegal e o narcotráfico.

Donald Trump advertiu, há duas semanas, que "provavelmente vai acabar" com o Tratado de Livre Comércio da América do Norte, com o México e o Canadá, cujas negociações começaram no mês passado.

"Tenho de ser honesto (…) pessoalmente não creio que podemos alcançar um acordo porque se aproveitaram de nós e de uma forma muito má. Eles fizeram grandes negócios: os dois países, especialmente o México. Não creio que possamos alcançar um acordo", disse, num comício em Phoenix, no Arizona.

"Creio que provavelmente terminaremos com o tratado", sublinhou então o Presidente dos Estados Unidos.

A primeira ronda terminou de conversações no âmbito das negociações do NAFTA realizou-se no passado mês de agosto.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub