Economia Economistas alertam que Governo não pode perder controlo das contas públicas

Economistas alertam que Governo não pode perder controlo das contas públicas

Vários economistas consideraram esta terça-feira que o Governo tem de ser cauteloso para não perder o objectivo de controlo das contas públicas, não se deixando iludir pelo recente crescimento da economia.
Economistas alertam que Governo não pode perder controlo das contas públicas
Bruno Simão/Negócios
Lusa 30 de maio de 2017 às 22:06

À margem de uma conferência em Lisboa da SEDES - Associação para o Desenvolvimento Económico e Social, o economista Vítor Bento afirmou que a economia portuguesa está "no bom caminho", referindo-se ao crescimento económico de 2,8% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre, mas considerou que "não se deve embandeirar em arco e sobretudo não estragar o que funciona bem", recordando que a riqueza produzida ainda está abaixo dos níveis antes da crise.

 

É preciso "não dar cabo das contas públicas" e manter a tendência de crescimento, afirmou o também presidente da SIBS, gestora da rede Multibanco.

 

Também o economista Luís Campos e Cunha considerou, em declarações aos jornalistas, que não se pode "perder o ritmo de consolidação orçamental", até porque a futura saída do Procedimento por Défices excessivos (PDE) é "só o primeiro passo na direcção certa, mas o trabalho não está feito".

 

Contudo, quando questionados sobre o que nas medidas do Governo os leva a estarem preocupados com uma eventual perda do ritmo de controlo das contas públicas, nenhum economista explicitou o seu pensamento.

 

Campos e Cunha, que foi ministro das Finanças do primeiro Governo de José Sócrates, entre Março e julho de 2015, frisou apenas que tendo em conta o endividamento público o Estado tem de "receber mais do que gasta". Já na conferência organizada pela SEDES, o ex-governante tinha afirmado que tinha "medo de alterações nas leis laborais", mas sem dar mais detalhes sobre o tema.

 

Ainda no painel de debate, o presidente do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), João Duque, deixou críticas ao processo de regularização dos precários do Estado, considerando que se vai fazer a entrada de milhares de trabalhadores na administração pública "sem refletir sobre o que se quer oferecer à sociedade e sem avaliar as necessidades do Estado".

 

Ainda nas declarações aos jornalistas, Campos e Cunha afirmou que, em sua opinião, não é necessário um grande aumento do investimento público, considerando que não precisa de ser mais de 2% do PIB, recordando que a economia tem recuperado nos últimos trimestres com esse investimento público em níveis reduzidos. O importante, sublinhou, é o investimento privado. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 31.05.2017

ANEDOTICOS!

mas eles alguma vez tiveram o CONTROLO das despesas ?!?!?!!??

PATETICOS!

Anónimo 31.05.2017

Que saudades de Passos Coelho de PSD, de CDS, era ver o desemprego sempre a subir, subir, subir, os cortes nos direitos sociais sempre a subir, Subir, SUBIR, que saudades daquele tempo que se via o Telejornal a Tremer, tremer, TREMER.

pub