Conjuntura Economistas estimam que a Zona Euro cresça 1,6% em 2016

Economistas estimam que a Zona Euro cresça 1,6% em 2016

Uma estimativa feita por 54 economistas consultados pela agência Bloomberg antecipa que o conjunto dos países do euro cresça 1,6% em 2016, 1,3% em 2017 e 1,5% em 2018.  
Economistas estimam que a Zona Euro cresça 1,6% em 2016
Bloomberg
Negócios 14 de Novembro de 2016 às 08:27

Um inquérito levado a cabo pela agência Bloomberg, entre os dias 4 e 11 de Novembro, junto de 54 economistas estima que as economias que integram a Zona Euro registem um crescimento de 1,6% em 2016. Já para 2017 estes economistas antecipam uma ligeira quebra (+1,3%) face a este ano, seguida de uma ténue aceleração em 2018 (+1,5%).

 

Estas estimativas estão em linha com as previsões de Outono divulgadas na semana passada pela Comissão Europeia, que elevou de 1,6% para 1,7% a estimativa de crescimento económico do bloco do euro em 2016. Já para o próximo ano a Comissão reviu em baixa as estimativas, prevendo agora uma expansão de 1,5% quando anteriormente antecipava um avanço de 1,8%. Para 2018 o crescimento antecipado é de 1,7%.

 

Em termos de evolução trimestral, aqueles economistas prevêem que a Zona Euro cresça 0,3% tanto no quarto trimestre deste ano comparativamente com o período compreendido entre Julho e Setembro, como nos primeiros três meses do próximo ano. Mas se a previsão para o último trimestre deste ano foi mantida, para o primeiro de 2017 foi cortada face ao crescimento de 0,4% antecipado no último inquérito feito pela Bloomberg. 

 

Por outro lado, 13 dos economistas inquiridos pela Bloomberg acreditam haver apenas 15% de possibilidades de o conjunto dos países da Zona Euro entrar em recessão. 

Por fim, estes economistas esperam ainda que no final de 2016 a taxa de juro de referência do Banco Central Europeu (BCE) se mantenha no actual mínimo histórico de 0%. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub