Conjuntura Economistas melhoram previsão para crescimento do PIB em 2018

Economistas melhoram previsão para crescimento do PIB em 2018

O PIB de Portugal deverá abrandar para um crescimento de 2% no próximo ano e 1,9% em 2019, de acordo com as previsões mais optimistas dos economistas sondados pela Bloomberg.
Economistas melhoram previsão para crescimento do PIB em 2018
EPA
Negócios com Bloomberg 11 de dezembro de 2017 às 10:06

A economia portuguesa deverá abrandar em 2018 e 2019, mas o ritmo de crescimento será mais forte do que o antecipado antes. A conclusão surge das previsões dos economistas sondados pela Bloomberg e que a agência de notícias publica trimestralmente.

Os resultados da última sondagem, realizada entre 1 e 7 de Dezembro e noticiada na manhã desta segunda-feira, 11 de Dezembro, apontam para que o PIB de Portugal cresça 2% em 2018 e 1,9% em 2019. Tratam-se de perspectivas mais optimistas do que as da sondagem anterior, na qual os economistas colocavam o PIB de Portugal a crescer 1,8% em 2018 e bem menos em 2019 (1,4%).

Apesar destas perspectivas mais optimistas, as novas estimativas dos 27 economistas inquiridos pela Bloomberg apontam para um abrandamento do crescimento do PIB. Este ano a economia nacional deverá registar uma expansão de 2,6%, que a confirmar-se será a mais forte da última década.

No que diz respeito à evolução trimestral do PIB, os economistas mantiveram as projecções para o quarto trimestre e também apontam para um abrandamento gradual ao longo de 2018.

As estimativas apontam para um crescimento em cadeia de 0,5% nos últimos três meses deste ano, face ao terceiro trimestre. Em termos homólogos o PIB é visto a crescer 2,3%.

No primeiro trimestre de 2018 o PIB deverá crescer 2% em termos homólogos e 0,6% em cadeia, mantendo nos trimestres posteriores taxas de crescimento semelhantes.

No que diz respeito à taxa de desemprego, os economistas apontam para uma queda para 8% em 2018 e 7,4% em 2019, números substancialmente inferiores às estimativas anteriores (8,7% em 2018 e 7,9% em 2019).