Conjuntura Economistas revêm em alta perspectivas de crescimento para a China

Economistas revêm em alta perspectivas de crescimento para a China

Os economistas consultados pela Bloomberg estimam que a economia chinesa avance 6,6% no primeiro trimestre, uma previsão acima dos 6,5% anteriormente previstos. Também a previsão para o ano de 2016 foi revista em alta para 6,7%.
Economistas revêm em alta perspectivas de crescimento para a China
Negócios 16 de dezembro de 2016 às 07:58

Numa altura em que as autoridades chinesas estão ainda a delinear o plano económico para o próximo ano, os economistas mostram-se mais optimistas quando ao desempenho da segunda maior economia mundial no futuro próximo.

 

De acordo com um conjunto de economistas consultados pela agência Bloomberg, a economia chinesa deverá crescer 6,7% em 2016, uma previsão que melhora a anterior estimativa, realizada em Setembro, que apontava para um crescimento económico de 6,6%.

 

Também as perspectivas de crescimento para 2017 registaram uma ligeira revisão em alta. Se antes antecipavam um crescimento de 6,5% no primeiro trimestre, agora os economistas apontam para um avanço da segunda maior economia mundial de 6,6% nos primeiros três meses do próximo ano.

 

Já para o total do ano de 2017 os economistas acreditam agora num crescimento de 6,4%, que compara com a anterior estimativa que era de 6,3%.

 

A Bloomberg realça o actual maior optimismo dos analistas relativamente à economia chinesa, isto depois de Janeiro deste ano ter sido marcado por grande volatilidade dos mercados internacionais na sequência do abrandamento da economia chinesa e consequente diminuição das importações realizadas pela segunda maior economia do mundo.

Termina esta sexta-feira, 16 de Dezembro, um fórum económico realizado na China e que se destinou a discutir uma série de questões relacionada com a economia chinesa, tais como o planeamento para cortar o excesso de capacidade industrial verificado em determinados sectores, a necessidade de uma maior abertura da economia do país e, por fim, formas para atrair investimento estrangeiro. 

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub