Cultura Editoras estrangeiras às compras na Feira do Livro de Lisboa

Editoras estrangeiras às compras na Feira do Livro de Lisboa

Seis empresas espanholas, francesas e italianas integram a missão invertida da AICEP dirigida ao sector livreiro, cujo negócio, excluindo o segmento escolar, vale 142 milhões de euros e está em quebra desde 2011.
Editoras estrangeiras às compras na Feira do Livro de Lisboa
Pedro Catarino
António Larguesa 05 de junho de 2017 às 11:05

Os representantes de seis editoras estrangeiras vêm esta semana a Portugal integradas numa missão organizada pela AICEP para "potenciar a tradução de obras portuguesas e contribuir para o aumento da visibilidade internacional de novos autores nacionais".

 

Depois da primeira edição, realizada no ano passado com sete empresas do Reino Unido, o instituto público que promove o comércio externo e a internacionalização vai repetir iniciativa com potenciais compradores de Espanha, França e Itália, entre 7 e 9 de Junho, aproveitando a realização da Feira do Livro de Lisboa, no Parque Eduardo VII.

 

Editora Regional de Extremadura e Editora PRE-Textos (Espanha); Actes Sud, Editions Gallimard e Flammarion (França) e Edizioni dell’Urogallo (Itália) são as convidadas pela AICEP para conhecer mais de perto um sector que em 2016 facturou 142 milhões de euros, menos 5% face ao período homólogo. Segundo a GfK, que monitoriza 80% do mercado (exclui o segmento escolar), no último ano foram transaccionados 12 milhões de livros em Portugal.

 

Alargando a análise à designada fileira das indústrias culturais e criativas, cujo volume de negócios ascende a 4.500 milhões de euros e as exportações a 400 milhões de euros, a AICEP, que em Abril passou a ser liderada por Luís Castro Henriques, assinala "um potencial de crescimento que justifica" este tipo de iniciativas para reforçar a tradução de obras de autores portugueses e aumentar a visibilidade do sector editorial e livreiro, dominado pela Porto Editora e pela Leya, cujo negócio global está a decrescer desde 2011.

 

Além da visita à Feira do Livro de Lisboa, onde até 18 de Junho estarão representadas 602 editoras e chancelas – a organização espera atingir o meio milhão de visitantes –, os representantes das editoras espanholas, francesas e italiana também têm agendados encontros institucionais com a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), a Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, a Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) e o Instituto Camões.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump Há 3 semanas

NAo sei se li ou sonhei:esta para chegar a feira do livro 1 montao de norte coreanos para comprarem os livros todos do manel alegre,e q eles neste momento estao sem emprego.Foi-lhes proibido o fabrico de canhoes destinados ao mar do Japao,China e sul coreano.Nao imaginava q o comuna tinha lingua uni

pub
pub
pub
pub