Política Eleições em França: Partido de Macron conquista maioria absoluta

Eleições em França: Partido de Macron conquista maioria absoluta

O partido do Presidente francês, Emmanuel Macron, terá obtido hoje a maioria absoluta, entre 355 e 425 assentos, num total de 577, segundo as sondagens à boca da urna.
Eleições em França: Partido de Macron conquista maioria absoluta
Lusa 18 de junho de 2017 às 19:32

Segundo as estimativas de várias sondagens divulgadas às 20:00 (19:00 em Lisboa), hora de encerramento das urnas, o partido República em Marcha!, do presidente Macron, e o seu aliado MoDem reúnem 355 a 425 deputados em 577, largamente acima do necessário para a maioria absoluta (289 assentos parlamentares).

 

Desconhecido ainda há três anos, eleito Presidente aos 39 anos contra pesos pesados da política francesa, o mais jovem Presidente da República francesa ganhou o seu último desafio: controlar a Assembleia Nacional para lançar delicadas reformas de inspiração liberal-social e reforçar a sua posição ao nível europeu.

 

Mas se a vitória é esmagadora, a abstenção, que se estima que ultrapasse os 56%, segundo várias empresas de sondagens, atingiu novamente um recorde para uma eleição legislativa.

 

A vitória anunciada do partido do Presidente, a longa maratona eleitoral iniciada em Outubro, com as primárias da direita, e um desinteresse crescente pela política poderão explicar a elevada abstenção.

 

Ainda assim, o movimento A República em Marcha varreu os partidos tradicionais de direita e de esquerda que estruturam a vida política francesa há décadas.

Muito atrás do partido vencedor, Os Republicanos (direita) e os seus aliados centristas obtêm entre 97 e 130 assentos, abaixo das previsões após a primeira volta, depois de a campanha ficar marcada por escândalos envolvendo o candidato presidencial.

 

À esquerda, o Partido Socialista, que controlava metade da Assembleia cessante, ficou reduzido a entre 46 e 50 deputados.

 

A única consolação é que o PS se mantém a principal força de esquerda, à frente da esquerda radical, que reúne 28 a 30 lugares no parlamento.

 

A extrema direita da Frente Nacional obtém entre quatro e oito lugares, contra dois em 2012, com a sua líder, a candidata presidencial Marine Le Pen a conquistar pela primeira vez um assento na Assembleia nacional francesa, após uma primeira tentativa nas legislativas de 2012. 


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

O que e' que a geringonca portugesa tem a dizer com esse resultado que deixa os portugueses sozinhos a falar com os gregos? a separacao esta' feita.

comentários mais recentes
DJ viajante Há 1 semana

Temos nos ainda partidos de extrema esquerda a tentar governar. Em Franca como em Italia e Espanha e. ....a esquerda foi ridicula. Resta a Grecia e Portugal os atrasados mentais da Europa.

Anónimo Há 1 semana

O que e' que a geringonca portugesa tem a dizer com esse resultado que deixa os portugueses sozinhos a falar com os gregos? a separacao esta' feita.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub