Economia Elsa Roncon abandona Direcção-Geral do Tesouro

Elsa Roncon abandona Direcção-Geral do Tesouro

A directora-geral do Tesouro e Finanças, responsável pela tutela das empresas públicas, sob a sua vai abandonar o cargo no próximo dia 13 de Fevereiro. Segundo o Ministério das Finanças, Elsa Roncon Santos sai por iniciativa própria.
Elsa Roncon abandona Direcção-Geral do Tesouro
Negócios 10 de fevereiro de 2017 às 16:36

Elsa Roncon Santos está de saída da Direcção-geral do Tesouro, anunciou esta sexta-feira, 10 de Fevereiro, o Ministério das Finanças através de comunicado. O gabinete de Ricardo Mourinho Félix garante que a dirigente saiu "a seu pedido" e adianta que, até à sua substituição, os destinos da casa serão assegurados por Maria João Araújo, subdirectora-geral. 

Economista, de 66 anos de idade, Elsa Roncon Santos está à frente da DGTF desde Agosto de 2011, altura em que foi nomeada por Vítor Gaspar e por Maria Luís Albuquerque para o lugar.

Em 2013 apresentou a demissão alegando "razões pessoais" que, segundo o jornal Público escreveu na altura, se deveram ao facto de ter sido preterida para a secretaria de Estado do Tesouro. Maria Luis Albuquerque subiu a Ministra das Finanças e Elsa Roncon teria aspirações ao seu lugar, mas acabou preterida por Joaquim Pais Jorge, contou o jornal.

Apesar do pedido de demissão, a economista não chegou a abandonar o cargo, porque voltou a concorrer a ele através da CRESAP e acabou nomeada ainda em 2015 pelo anterior Governo.

 

Mário Centeno herdou a dirigente e a respectiva equipa, que tem tutela sobre as empresas públicas e a dívida pública, tendo-lhe passo pelas mãos dossiês quentes como o do Novo Banco e da Caixa Geral de Depósitos.

Aliás, ainda na recente polémica sobre a troca de emails entre os advogados de António Domingues e o Ministério das Finanças, Elsa Roncon Santos era também destinatária da correspondência, segundo o Eco.

Enquanto DGTF, Elsa Maria Roncon Santos é representante do Ministério das Finanças no fundo de resolução e foi nomeada vice-presidente da mesa da Assembleia-Geral da Caixa Geral de Depósitos.

No comunicado enviado às redacções, Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado responsável pela pasta, sublinha que a dirigente demissionária "conduziu os destinos da Direção-Geral do Tesouro e Finanças num período particularmente exigente para a Administração Pública, nomeadamente para os serviços do Ministério das Finanças", pelo que expressa "publicamente o seu agradecimento pela competência, lealdade e sentido de responsabilidade na prossecução do interesse público com que desempenhou as suas funções ao longo de mais de um ano de trabalho conjunto".

Acrescenta ainda que "o Governo promoverá, com a maior brevidade possível, o processo de selecção e de nomeação do novo Director-Geral do Tesouro e Finanças". A dirigente sai oficialmente dia 13 de Fevereiro, não tendo o Ministério das Finanças adiantado as razões para o seu pedido de demissão. 


A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Juca 11.02.2017

era só "roncon, roncon" e trabalhar nada! Ainda por cima no "tesouro". E como é que os socialistas-comunas iam ao pote?

pertinaz 11.02.2017

ISTO É OBRA DOS DITADORZINHOS DE PACOTILHA

Anónimo 10.02.2017

Cada um sabe de si.
E esta bateu com a porta.
Porque seria??

Anónimo 10.02.2017

esta gente pos o pais onde ele está.miseraveis.

ver mais comentários
pub
pub
pub
}
pub