Política Em 2013 Santana dizia não ter possibilidades de ser eleito primeiro-ministro

Em 2013 Santana dizia não ter possibilidades de ser eleito primeiro-ministro

Em declarações feitas em 2013, o actual candidato à liderança do PSD garantia que depois dos casos ocorridos nos meses em que foi primeiro-ministro, entre 2004 e 2005, não teria hipóteses de vencer umas eleições em que se apresentasse na corrida para primeiro-ministro.
A carregar o vídeo ...
David Santiago 09 de janeiro de 2018 às 18:27

O Santana Lopes de 2017-2018 considera ter todas as condições para vencer as próximas eleições legislativas (previstas para 2019). No entanto, em Outubro de 2013, o ex-autarca lisboeta garantia não ter quaisquer condições de vencer uma hipotética eleição em que se apresentasse na corrida para primeiro-ministro.

 

"Depois do que passei em 2004 e 2005, do que aconteceu, com mais culpa minha ou não, acho que se concorresse a primeiro-ministro não tinha possibilidades de ganhar as eleições. Não tenho dúvida nenhuma sobre isso, nem que o vento mudasse dez vezes", declarou Santana Lopes em 2013 no espaço de comentário semanal que então mantinha na CMTV.

 

Estas declarações surgiam na sequência de uma entrevista do ex-primeiro-ministro José Sócrates ao Expresso, que motivou que Santana Lopes defendesse que os políticos devem ter a capacidade para se olharem ao espelho e perceberem a realidade.

 

Sobre eventuais intenções de Sócrates voltar à vida política activa, Santana Lopes dizia: "procuro olhar-me ao espelho e acho que os outros, de vez em quando, deviam fazer o mesmo". Na entrevista de Sócrates, o antigo líder socialista criticava duramente Santana por na campanha para as eleições de 2005 o então presidente do PSD ter aludido à eventual homossexualidade do rival socialista para tentar capitalizar eleitoralmente.

 

O excerto do vídeo em causa foi posto a circular na segunda-feira por uma conta (Rio, Estamos Contigo) de apoiantes do antigo presidente da câmara do Porto, o adversário de Santana nas eleições directas social-democratas que têm lugar já no próximo sábado, 13 de Janeiro.

 

Ao Observador, o director da campanha de Rio, Salvador Malheiro, notou que a candidatura do ex-autarca portuense não se revê no recurso a este tipo de vídeos. Malheiro sublinha que as contas no Facebook onde o mesmo está a circular não são oficiais da candidatura de Rui Rio.


Desde o debate da semana passada, Rio tem insistido e apelado ao seu adversário para manter elevado o nível da discussão interna do PSD.
Rui Rio tem assentado a sua mensagem na ideia de que nestas eleições internas aquilo que está em causa é a eleição da personalidade com melhores condições para ser eleito primeiro-ministro. Rio sustenta que o passado de Santana como primeiro-ministro e respectivas "trapalhadas" o desqualificam para o desempenho do cargo.




pub