Eleições Emigrantes forçam Parlamento a discutir mudanças na lei eleitoral

Emigrantes forçam Parlamento a discutir mudanças na lei eleitoral

Uma petição promovida por um grupo de portugueses residentes no Reino Unido recolheu mais de quatro mil assinaturas para pressionar o recenseamento eleitoral automático no estrangeiro e a implementação do voto electrónico.
Emigrantes forçam Parlamento a discutir mudanças na lei eleitoral
Bloomberg
António Larguesa 23 de janeiro de 2017 às 12:02

Recenseamento eleitoral automático aquando da alteração da morada para o estrangeiro no Cartão de Cidadão; recenseamento via postal e via Internet para quem reside no estrangeiro; e introdução da modalidade de voto electrónico para os portugueses residentes no estrangeiro. Estas são as três alterações legislativas pedidas numa petição que recolheu mais de quatro mil assinaturas e que será discutida no Parlamento.

 

A iniciativa "Também Somos Portugueses", impulsionada pelo grupo Migrantes Unidos, composto por cidadãos residentes no Reino Unido, vai ser entregue na tarde desta segunda-feira, 23 de Janeiro, na Assembleia da República. A petição, que conta com o Conselheiro das Comunidades Portugueses, António Cunha, como primeiro signatário, lembra que os emigrantes "enfrentam todo o tipo de obstáculos para se poderem recensear e votar".

 

"Está na altura de tornar estes processos muito mais simples, sem exigir deslocações desnecessárias aos consulados. (…) Estamos no século XXI, os portugueses tratam de todos os seus assuntos pela Internet. Portugal vangloria-se de ser um dos países da Europa com o maior número de serviços disponíveis online. Porque teremos ainda leis do século passado para o recenseamento e voto dos emigrantes? Os emigrantes também são portugueses!", lê-se na petição.

 

Enquanto em Portugal o recenseamento é automático, no caso da mudança de morada para o estrangeiro é preciso deslocarem-se ao consulado da sua área de residência para se registarem nos cadernos eleitorais, "como se deixassem de ser portugueses". E para fazê-lo presencialmente, acrescentam, "têm de perder dias de trabalho e fazer deslocações por vezes extremamente longas para se recensearem". O Ministério da Administração Interna já admitiu que está a estudar como operacionalizar o recenseamento automático no estrangeiro.

 

Em declarações à TSF, o membro do grupo Migrantes Unidos, Paulo Costa, insistiu que, quando alguém muda a morada para o estrangeiro, é "cortado dos registos eleitorais" e tem de ir recensear-se a um consulado. "Espanha fez isso – antigamente era automático e passou a ser nestes moldes – e a participação eleitoral dos espanhóis no estrangeiro passou de 30% para 4%. Temos ali uma prova ao lado de que isso é um causador da grande abstenção das pessoas, independentemente do sistema de voto", lamentou.

 

Já no que toca ao voto postal e ao pedido para que seja implementado o voto electrónico – subscrito por portugueses em todo o mundo, com destaque para os mais de mil no Reino Unido e mais de duas centenas na Alemanha ou na Bélgica –, é denunciado que nas últimas eleições "dificultou ou impediu" a participação em localizações como o Brasil, Timor-Leste, Macau e Emiratos Árabes Unidos, tendo alguns voto ido "para ao lixo por chegarem depois dos prazos".




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 23.01.2017

Existem mais portugueses no exterior do que os residentes em Portugal. É bom que eles sejam uma força poderosa para obrigar aqueles que só exigem regalias, a pensarem de outra maneira, e os governos e Presidente serem mais responsaveis.

Anónimo 23.01.2017

Voto electronico? todos os partidos têm um enorme receio, pois isso pode diminuir drasticamente a actual taxa abtenção q vai em quase 60% e eles perdem o controlo do Estado clientelar

pub
pub
pub
pub