Aviação Emirates abandona gestão da angolana TAAG e ameaça cortar voos para Luanda

Emirates abandona gestão da angolana TAAG e ameaça cortar voos para Luanda

A transportadora aérea Emirates anunciou esta segunda-feira o "fim imediato" do contrato de concessão para gestão da companhia de bandeira angolana TAAG e pode mesmo vir a deixar de voar para Luanda, avisa o seu presidente.
Emirates abandona gestão da angolana TAAG e ameaça cortar voos para Luanda
reuters
Celso Filipe Lusa 10 de julho de 2017 às 13:21
Numa declaração enviada à Lusa esta segunda-feira, 10 de Julho, em Luanda, a transportadora refere igualmente que está a "tomar medidas no sentido de reduzir a sua presença em Angola" e que a partir de hoje reduz de cinco para três o número de frequências semanais para Luanda.

Esta redução é temporária e pode mesmo vir a trazduir-se num cancelamento dos voos efectuados pela Emirates entre Luanda e o Dubai, caso o Governo angolano não dessbloquei o repatriamento de capitais que a companhia exige.

O presidente da transportadora aérea árabe, Timothy Clark, dá conta desta possibilidade numa carta enviada ao minsitro dos Transportes angolano, Augusto da Silva Tomás. "Tenho de sublinhar, contudo, que esta operação limitada pode ser revista rapidamente se não houver, nos próximos dias, um desenvolvimento significativo no repatriamento dos nossos fundos", escreve Timothy Clark numa missiva com a data de domingo, 9 de Julho.

Neste quadro, o líder da Emirates pede "humildamente" ao titular da pasta dos Transportes de Angola  "que intervenha urgentemente junto do Banco Nacional de Angola" para libertar esses fundos "e proteger os futuros serviços da Emirates a Angola". 

"Esta questão tem-se mantido sem solução, apesar de inúmeros pedidos feitos às autoridades competentes e garantias de que medidas seriam tomadas", refere a companhia.

"Com efeito imediato, a Emirates põe fim à sua cooperação com a TAAG - Linhas Aéreas de Angola - ao abrigo de um contrato de concessão de gestão em curso desde Setembro de 2014", acrescenta a empresa, com sede nos Emirados Árabes Unidos.

Timothy Clark, na referida carta, argumenta que a questão de o repatriamento de capitais faz com que não seja possível "manter a parceria estratégica" que tinha com o a TAGG, pelo que a mesma termina com "efeito imediato". O presidente da Emirates salienta que a companhia desenvolveu os seus "melhores esforços" para ajudar o Governo angolano a alcançar os seus "objectivos estratégicos no sector da aviação".

A gestão da TAAG esteve a cargo, desde Setembro de 2015, do inglês Peter Murray, no âmbito do contratato assinado entre a Emirates e o Governo angolano que transferia para a companhia árabe  a gestão que os árabes da Emirates da companhia de bandeira de Angola.

Angola vive desde 2014 uma crise financeira e económica decorrente da quebra nas receitas com a exportação de petróleo, também com efeitos cambiais, com várias operadoras aéreas a queixarem-se da dificuldade em repatriar dividendos das vendas em Angola, por falta de divisas.

(Notícia actualizada às 16.15 com mais informação) 







A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Se você é pobre ou precisa de dinheiro rápido, você também pode obter este cartão, apenas entre em contato tarjetaservicio@gmail.com
Este cartão é um cartão universal e qualquer um pode obter este cartão apenas entre em contato tarjetaservicio@gmail.com
Estou tão feliz em publicar isso aqui.

satchiliva@.com Há 1 semana

No meu ponto de vista o governo angolano em nome do ministro dos transporte tem que coversar e chegar a um conserto

Anónimo Há 1 semana

Idiota racista , o Sócrates e os outros andaram vos a por o dedo no teu cu k já anda todo aberto já nem cagas em condições .

Anónimo Há 1 semana

Repatriamento de capitais... claro que é complicado... o dinheiro está todo em offshores...

pub