Economia Emissões da RTP África e RDP na Guiné-Bissau cortadas ao início da manhã

Emissões da RTP África e RDP na Guiné-Bissau cortadas ao início da manhã

Só a Agência Lusa mantém a sua actividade neste PALOP, depois de o governo local confirmar o corte de sinal das emissões da RTP África e da RDP no país.
Emissões da RTP África e RDP na Guiné-Bissau cortadas ao início da manhã
Governo guineense recuou na decisão de suspender a actividade da Agência Lusa naquele país, mantendo-se a decisão no caso da RTP e RDP.
Lusa 01 de julho de 2017 às 11:55

O Governo da Guiné-Bissau efectivou hoje, 1 de Julho, ao início da manhã, o corte do sinal das emissões da RTP África e da RDP no país, disse à agência Lusa fonte do Ministério da Comunicação Social guineense.

 

Segundo a mesma fonte, o corte ocorreu ao início da manhã.

 

Várias testemunhas confirmaram à agência Lusa não conseguir ver, nem ouvir a RTP África e RDP, respectivamente.

 

O ministro da Comunicação Social guineense, Vítor Pereira, anunciou sexta-feira a suspensão das actividades da RTP, da RDP na Guiné-Bissau, alegando a caducidade do acordo de cooperação no sector da comunicação social assinado entre Lisboa e Bissau.

 

Na sexta-feira ao início da tarde, o ministro da Comunicação Social guineense anunciou a suspensão das actividades da RTP, da RDP e da Agência Lusa na Guiné-Bissau, alegando a caducidade do acordo de cooperação no sector da comunicação social assinado entre Lisboa e Bissau.

 

Em conferência de imprensa, Vítor Pereira informou que a partir da meia-noite de hoje em Bissau (1:00 em Lisboa) ficariam suspensas todas as actividades naquele país dos três órgãos portugueses até que o governo de Lisboa abrisse negociações para a assinatura de um novo acordo.

 

No entanto, posteriormente, o ministro da Comunicação Social anunciou que o Governo guineense recuou na decisão de suspender a actividade da Agência Lusa naquele país, mantendo-se a decisão no caso da RTP e RDP.

 

O Governo de Bissau alegou que não recebeu qualquer resposta ao pedido de revisão do protocolo de cooperação na área da comunicação social entre os dois países, algo que o governante português nega.

 

"Recebemos no passado dia 7 de Junho uma proposta de revisão do protocolo na área da comunicação social", que foi dirigida ao Ministério da Cultura português, explicou Augusto Santos Silva.

 

"Essa proposta foi reencaminhada para a RTP, empresa pública, para que ela desse o seu parecer e, do nosso ponto de vista, os trabalhos necessários [para iniciar a renegociação] estão em curso. Ao contrário do que ouvi dizer ao senhor ministro da Comunicação Social da Guiné-Bissau, o ministro da Cultura [português] respondeu à carta" da Guiné-Bissau, disse Santos Silva.

 

O actual governo da Guiné-Bissau, de iniciativa presidencial, não tem o apoio do partido que ganhou as eleições com maioria absoluta e este impasse político tem levado vários países, entre os quais Portugal, e instituições internacionais a apelarem a um consenso.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 02.07.2017

Já se vê que os OCS portugueses são demasiado livres para o poder na Guiné, tal como para o poder em Angola. Pelo que me toca, é assim: não querem? tudo bem. Corta-se!

Anónimo 01.07.2017

Um bom bruxo desbloqueia todas as situações mesmo as mais difíceis e quando falha é porque nesse dia e hora estava ausente e mesmo sendo bruxo não está em toda a parte "que passa-se"

pub