Finanças Públicas Emissões líquidas de dívida atingem máximos de 2011

Emissões líquidas de dívida atingem máximos de 2011

Administrações públicas, sector financeiro e sector institucional registaram todos emissões líquidas, em 2017, algo que já não acontecia desde 2010, revelou o Banco de Portugal.
Emissões líquidas de dívida atingem máximos de 2011
Reuters
Negócios 08 de fevereiro de 2018 às 12:38

"As emissões líquidas de títulos por residentes registaram o valor mais elevado desde 2011, situando-se nos 18,2 mil milhões de euros", revelou esta quinta-feira, 8 de Fevereiro, o Banco de Portugal.

 

As emissões da dívida atingiram assim o valor mais elevado dos últimos oito anos. Um contexto que é justificado quer pelas "emissões líquidas positivas de títulos de dívida", no valor de 7,1 mil milhões de euros, quer pelas emissões de acções, que atingiram os 11,2 mil milhões de euros.

 

"Pela primeira vez desde 2010, os três sectores institucionais apresentaram emissões líquidas positivas. As emissões líquidas das administrações públicas ascenderam a 11,4 mil milhões de euros, sendo o sector institucional com o valor mais elevado pelo quarto ano consecutivo. O sector financeiro registou emissões líquidas positivas, no valor de 2,7 mil milhões de euros, após cinco anos consecutivos com emissões líquidas negativas. Esta evolução reflecte emissões líquidas positivas de acções parcialmente compensadas por amortizações de títulos de dívida", salienta o Banco de Portugal.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
surpreso Há 1 semana

A liquidez das dívidas bem SÓLIDAS.Aguentem!